domingo, 30 de junho de 2013

Lembre se:

Estação Luz Filmes é co-produtora no novo filme nacional Causa e Efeito


Depois do sucesso da parceria com O Filme dos Espíritos, a produtora cearense Estação Luz Filmes e a paulista Mar Revolto Produções voltam a se unir para a realização de um novo filme. Trata-se do longa metragem Causa e Efeito, segundo filme de André Marouço, que produziu, escreveu e dirigiu em 2011 “O Filme dos Espíritos”, longa que ganhou prêmio de melhor roteiro no Sesc Melhores Filmes.


Na última sexta-feira, 28, uma equipe de dez profissionais vem a Fortaleza para a gravação de algumas cenas. Além dos atores Maurycio Madruga e Matheus Prestes e do diretor André Marouço, a equipe é composta por câmeras, assistentes, diretor de arte, diretor de fotografia, técnico de efeitos especiais, operador de som e maquiador. Também vão participar da cena sete atores locais, com destaque para Haroldo Serra e Hiroldo Serra. As filmagens acontecem nos dias 29 e 30 em três locações agendadas para os seguintes horários:

Sábado, 29 de junho de 2013
8h – Hotel Porto D`Aldeia
17 – Cena na rua Nunes Valente, em frente ao prédio Coorporate Plaza Business, no quarteirão entre a Avenida Santos Dumont e Desembargador Leite Albuquerque
Domingo, 30 de junho de 2013
8h – Clínica Bios – Rua Henriqueta Galeno, 501

Para a realização das filmagens na Rua Nunes Valente, algumas medidas precisaram ser tomadas. Uma solicitação já foi feita à AMC para que o trecho da Rua Nunes Valente entre a avenida Santos Dumont e Desembargador Leite Albuquerque seja interditado a partir das 17 horas do sábado, 29.

As filmagens devem seguir até a primeira quinzena de julho de 2013. A previsão de estréia do filme é para 2014. Segue elenco principal do filme Causa e Efeito: Henri Pagnoncelli - Deputado Gustavo/ Rosi Campus –Medium/ Naruna Costa – Madalena/ Matheus Prestes - Policial Paulo/ Luiz Serra – Espirita/ Henrique Taubaté Lisboa – Padre/ Haroldo Serra – Pastor/ Maurycio Madruga- Gerson/ Maritta Cury – Carolina/ Matheus Machado - Jose 5 anos)/ Higor Picciolli - José 15 anos

Sinopse
O filme é um drama espírita que conta a história de Paulo, um policial que tinha uma vida tranquila até que um motorista alcoolizado atropela e mata sua esposa e filho. O motorista não é preso e revoltado Paulo torna-se justiceiro. Contratado para dar fim a uma garota de programa chamada Madalena, ele se sensibiliza com a história dela e coloca-se em fuga com a moça. Na fuga, o casal se apaixona e juntos reajustam suas condutas de vida, auxiliados por um trio de religiosos: um padre, um pastor e um espírita. Ao longo da trama os protagonistas alcançam o amor, a paz e a iluminação.

“O Filme dos Espíritos”
“O Filme dos Espíritos” ganhou prêmio de melhor roteiro no Sesc Melhores Filmes e já foi assistido por mais de 2 milhões de pessoas sendo o 10º filme nacional mais assistido em 2011. A expectativa é de que outras dez milhões de pessoas assistam ao filme em canais abertos e outras mídias.

Estação Luz Filmes
A produtora cearense Estação Luz Filmes, desde 2008, já levou às telas do cinema nacional cinco filmes, sendo responsável por 72% do total de espectadores para filmes de produtoras nordestinas lançados entre 1995 e 2011. Os dados estão na Cartografia do Audiovisual Cearense, publicação lançada em 2012 no Ceará, que revelou um cenário promissor para a produção de cinema no Estado.

A produtora, que tem à frente o diretor executivo Sidney Girão, se propõe a levar às telas temáticas de caráter humanitário e espiritualista, sendo destaque no cenário nacional desde a primeira produção. O filme Bezerra de Menezes – O Diário de um Espírito, levou aos cinemas um público de 505.369 espectadores, ficando em cartaz por 27 semanas(de 29/08/08 a 26/03/09), resultado raro para um filme nacional. Durante a primeira semana de exibição ficou em segundo lugar na classificação entre todos os filmes que estavam sendo exibidos no Brasil. O sucesso resultou no faturamento de R$ 3.526.005,00.

Depois do primeiro sucesso, veio Chico Xavier(2010), do diretor Daniel Filho, co-produção da Estação Luz Filmes, que levou aos cinemas cerca de 3 milhões e 500 mil espectadores. Em 2011, a Estação Luz Filmes foi além. Levou às telas duas produções: As Mães de Chico Xavier(2011), dos diretores Glauber Filho e Halder Gomes e O Filme dos Espíritos(2011), uma co-produção com a Mundo Maior Filmes. Os dois filmes foram para o ranking das produções que tiveram mais de 500 mil espectadores naquele ano, segundo dados da Agência Nacional do Cinema, Ancine.

Em 2012, a produtora partiu para um projeto mais ousado: uma ficção científica com abordagem espiritualista, o longa Área Q, do diretor Gerson Sanginitto. O filme teve locações nas cidades cearenses de Quixadá e Quixeramobim e, nos Estados Unidos, em Los Angeles, na Califórnia. Uma parceria da Estação Luz Filmes com a Reef Pictures, Sophia Filmes, ATC Entrenenimentos e Boa Vontade Filmes, tendo como co-produtora a Mundo Maior Filme. E foi com este filme que a Estação Luz Filmes trouxe para o Ceará o Prêmio Fiesp-Sesi de Cinema na categoria Montagem - Helgi Thor e David Davidson. O Prêmio foi entregue no último dia 11 de junho em São Paulo.

Para o diretor executivo da Estação Luz Filmes, receber essa premiação de uma instituição importante como a FIESP é motivo de orgulho e esperança. Para ele, um exemplo a ser seguido no nosso Estado. Ele destaca que o Ceará tem produtores muito bons e está pronto para produções cinematográficas. Para ele, investir na produção de cinema no Ceará é gerar emprego, renda, e aquecer o turismo, promovendo as belezas e riquezas naturais do nosso Estado para o Brasil e para o mundo.

Serviço:
Filmagens do longa Causa e Efeito em Fortaleza
Data: 29 e 30 de junho de 2013
Mar Revolto Produções e Estação Luz Filmes
Mais informações:
Adriana Pessoa, produtora Causa e Efeito no Ceará – (85)8805-6255
Estação Luz Filmes – (85)3244-1094
www.estacaoluzfilmes.com.br         

Com informações da assessoria de imprensa da Estação Luz Filmes

http://www.boanoticia.org.br/noticias_detalhes.php?cod_noticia=5209&cod_secao=1

Reforma íntima

Reforma Íntima – Como fazer?
A Reforma Íntima é uma luta constante até que o espírito chegue à perfeição e se torne um espírito puro. Será tanto mais rápida quanto mais disposição tiver o espírito de buscar o seu progresso espiritual. 

Para isso é preciso substituir os defeitos por virtudes. 

São defeitos: o orgulho, a inveja, o ciúme, o egoísmo, a agressividade, a maledicência, a intolerância, a vaidade etc. 

São virtudes: a bondade, a humildade, a resignação, o bom senso, a generosidade, a caridade, a afabilidade, a doçura, a tolerância e o perdão. 

PRIMEIRO PASSO: AUTOCONHECIMENTO. 

O primeiro passo para realizar a Reforma Íntima é o autoconhecimento. É preciso conhecer para mudar. 

Como querer eliminar nossos defeitos se nem ao menos sabemos quais são eles? Como trabalhar nossas virtudes se não sabemos quais são elas? 

É muito raro as pessoas pararem um pouco para refletir sobre seus próprios atos, vícios, virtudes, comportamentos... Muitas vezes, acham que não têm defeitos e continuam a vida sem se preocuparem com isso. Outras acham que não têm qualidades ou virtudes e perdem a oportunidade de usar os talentos que possuem.

Como fazer o autoconhecimento? 

Ao fim do dia, interrogue a sua consciência e relembre o que fez, perguntando-se a si mesmo se não faltou a algum dever, se não deixou de fazer o bem em alguma ocasião e se ninguém teve motivo para de você se queixar. Analise se você tratou mal alguém e se foi orgulhoso ou egoísta em algum momento. 

Evite julgar os outros, mas permita-se analisar a si mesmo! 

SEGUNDO PASSO: MUDAR ATITUDES.
Conhecendo a nossa própria personalidade, é hora de consertarmos nossos erros e trabalharmos nossas qualidades, para que nos tornemos pessoas melhores. 

As mudanças vêm progressivamente e os resultados são surpreendentes. A criatura que trabalha a sua Reforma Íntima torna-se, aos poucos, mais tranquila, mais serena diante das dificuldades da vida, mais paciente e amorosa com os outros, enfim, torna-se mais feliz! 

Vamos tentar?

sábado, 29 de junho de 2013

Você já reparou na diferença entre querer controlar e influenciar?

Influenciar é uma proposta mais aberta, menos invasiva, que consiste em passar determinados valores sem aquela conduta doentia de querer ordenar.
Diante de imposições, qualquer um se sente reprimido, sem luz e alma para agir com liberdade. Controlar é um conceito que não funciona na educação, e muito menos no convívio. Observe o casamento. Quando o marido ou a mulher tentam dominar um ao outro, o amor vai embora e os dois se afastam. A mesma coisa posso dizer em relação ao apego. Se você é apegada, não tem luz. Volto a dizer: ninguém é de ninguém.
Gostar não é prender, é soltar. Naturalmente a gente procura pessoas que nos deixam à vontade. Chega a ser interessante: você deixa o indivíduo tão confortável, porque não quer domina-lo, e ele se sente tão bem que a procura. Ele gosta de você sem esforço. A grande conquista é estar em si, na própria luz. Assim, o amor, o carinho e o bem vêm.
Aprendi a não me envolver com as pessoas e os ambientes. Se você gosta de alguém, não pode se envolver a ponto de sofrer com os problemas dessa pessoa. Não preciso passar por uma coisa ruim para ajudá-la. Isso não é inteligente! Em vez disso, jogo luz na pessoa. A alma dela é que vai identificar o melhor caminho a seguir. Para que tentar controlar uma situação que não me pertence? A luz fala por si! Confie e se entregue a ela e tudo funcionará ao seu redor.
 Luiz Gasparetto

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Sobre o perdão

Criticar uma pessoa ou uma situação só dá mais força para o lado que já está desequilibrado. Você pode dizer que o que é mais violento não é a violência dos que fazem, mas a violência dos que não fazem. Mas quando você toma partido, toda vez que você assume uma causa, você já está estabelecendo limite, já está vendo um inimigo do outro lado, você está saindo da sua paz. Quando nos revoltamos é o caso de pensar: o que é que está atraindo em mim essa energia de revolta contra o outro? Ele só está jogando o balde, então se ele está puxando alguma coisa de dentro de mim eu preciso ver o que estou sentindo em relação ao outro. Em vez de tentar resolver isso lá fora, é preciso tentar resolver dentro de nós, porque resolvendo aqui dentro estaremos começando a discutir, pouco a pouco, a idoneidade desse vício que nos faz sair da paz.
Trecho da palestra Encontro com Você, realizada em Universo Natural – por José Batista de Carvalho
Foto: Para receber as nossas mensagens clique em "curtir" na página Espiritualidade é amor
"Todas as vezes que você perdoa, o universo muda; cada vez que estende a mão e toca um coração ou uma vida, o mundo se transforma; a cada gentileza e serviço, visto ou não visto, seus propósitos são realizados e nada jamais será igual."  (William P. Young)

Aprenda como se perdoar

É possível que duas pessoas num relacionamento sejam más uma para com a outra? Sim, isso é o que está acontecendo por todo o mundo. Ser bom é muito difícil. Você não é bom nem para si mesmo!

Como você pode ser bom para outra pessoa? Você nem mesmo ama a si próprio! Como você pode amar outra pessoa? Ame a si mesmo, seja bom para si mesmo.

Os seus assim chamados santos têm lhe ensinado a nunca amar a si mesmo, a nunca ser bom para si mesmo. Seja duro consigo mesmo! Eles têm lhe ensinado a ser delicado para com os outros e duro para consigo mesmo. Isso é um absurdo.

Eu lhe ensino que a primeira e mais importante coisa é ser amoroso para consigo mesmo. Não seja duro; seja delicado. Cuide de si mesmo. Aprenda como se perdoar, cada vez mais e novamente; sete vezes, setenta e sete vezes, setecentos e setenta e sete vezes. Aprenda como perdoar a si próprio. Não seja duro; não seja hostil consigo mesmo. Assim você irá florescer.

Nesse florescimento você atrairá alguma outra flor. Isso é natural. Pedras atraem pedras; flores atraem flores. Assim há um relacionamento que possui graça, que possui beleza, que possui uma bênção nele.

Se você puder achar um relacionamento assim, seu relacionamento crescerá para uma oração; seu amor se tornará um êxtase e através do amor você conhecerá o que é o divino.
Osho

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Quem acusa confessa

por Cristina Cairo

Quando digo que nos deparamos com nosso espelho, você pode pensar que significa encontrar alguém que se pareça fisicamente ou que tenha a forma de pensar semelhante à sua. Na verdade, é muito mais do que isso. Muitas vezes, olhamos para alguém que nos irrita e o criticamos mentalmente sem saber que, de alguma forma, temos algo em comum com ele.

Já incomodei muita gente ao afirmar isso, pois é uma situação que gera resistência nas pessoas. Fui profundamente honesta comigo mesma para encarar essa verdade, pois quando conheci o Jogo da Projeção, tive o desejo sincero de mudar para melhor. Toda vez que ficamos irritados, magoados ou incomodados com a presença ou atitude de uma pessoa, significa que estamos, inconscientemente, identificando-nos com as atitudes dela.

Com certeza, existe em nosso interior algo semelhante ao que vemos no outro, mas por mecanismos de defesa, o inconsciente não permite que percebamos, por não estarmos preparados para aceitar mudanças de padrões e nem queremos renunciar as velhas maneiras de viver. Muitos alunos meus já me perguntaram por que o ser humano esconde se de si Mesmo, enxergando somente problemas nos outros.

Qual o motivo dessa cegueira de si mesmo e porque a resistência tão rígida em aceitar a realidade da projeção? Não seria muito melhor descobrir em si mesmo as coisas que não agradam e mudar o comportamento? Veja bem: se possuímos uma mente inconsciente, capaz de esconder-nos da consciência 95% das situações da vida, é por causa da falta de treinamento do próprio ser humano em lidar com perdas.

As pessoas sentem uma necessidade instintiva de viver em grupos, de juntar bens e de depender emocionalmente de outras pessoas. Da mesma forma que uma pessoa mantém a compulsão alimentar para sanar carências e ansiedades, também lutamos para conquistar o máximo de matéria para sentir o prazer da vitória e do poder.

Enquanto você não praticar a meditação corretamente, abrindo os portais de energia para sentir a coragem, a paz, o desapego e o amor incondicional, estará constantemente sentindo-se ameaçado pelas sensações de perdas materiais e de pessoas queridas. Poucas pessoas estão prontas para mudar seu próprio comportamento, sem ficarem preocupadas se os outros estão mudando também.

Na verdade, a maioria das pessoas sempre tenta transformar os outros, mas não presta atenção na sua própria conduta, alegando que somente quando fulano mudar seu jeito de ser é que poderá ser feliz.

Ninguém muda ninguém. Isso é pura ilusão. Uma prova concreta de projeção é quando tentamos mudar o comportamento de alguém de acordo com as nossas expectativas. Na realidade, essa necessidade de enquadrar o outro de acordo com os preceitos esconde o medo de mudar a si mesmo.

O incômodo ou inquietude inconsciente que cada pessoa sente quando precisa mudar a si mesma está relacionado ao grau de apego a padrões, crenças e métodos rígidos de viver. Quando descobrimos algo inflexível em nós e tentamos ser mais maleáveis, pode acontecer de cairmos no outro extremo e anularmo-nos. Não é fácil encontrar o caminho do meio, mas o treinamento e a disciplina pessoal levam-nos a ele.

Inconscientemente, só mudados em nosso comportamento aquilo que não irá causar danos ao nosso sistema de vida. Mas a maturidade e não a idade, faz com que aprendamos a ceder sem anulação, a ouvir sem irritação e a falar sem agressão.

O mundo que vejo à minha frente não é o mesmo que se apresenta para o meu vizinho. Enxergamos através de uma espécie de filtro que criamos na mente E desde o nosso nascimento. Esses filtros são velhos padrões mentais que atuam sobre nossos julgamentos. São tão reais e palpáveis que não conseguimos questioná-los.

Se acontecer uma briga de um grupo de pessoas e ao redor outros estiverem assistindo, todos saberemos que cada um dos envolvidos terá uma versão completamente diferente dos outros.

É a ação desse filtro, convenientemente adicionado a ilusões e discórdias. Você está preparado para admitir que é totalmente responsável por seus problemas? E que se as pessoas o aborrecem, sejam familiares ou estranhos, é porque você que precisa mudar para melhor e não eles?

Por mais evidente que seja uma ocorrência e que o juiz decrete uma pena ao infrator, mesmo assim devemos compreender que ninguém lesa ninguém, se esses não estiverem vibrando a mesma frequência e, portanto, com energias semelhantes.

Compreendeu como funcionamos em nossos jogos inconscientes e o quanto precisamos entender que o mundo visível é apenas uma ilusão? Não estou dizendo que não devemos trabalhar, ganhar dinheiro, conquistar um amor, viajar, conhecer pessoas e comer coisas gostosas. Estou querendo mostrar que precisamos aproveitar tudo isso e, ao mesmo tempo, ter consciência de que existem infinitos caminhos para sermos felizes.

O apego às vitórias e conquistas escraviza-nos, o desapego e o amor libertador traz paz de espírito e tranquilidade para continuarmos a vida. Sou também professora de educação física, gosto de cantar, dançar, caminhar, pedalar, viajar, mergulhar, mas nem por isso ficarei infeliz senão puder viver essas emoções por um bom tempo.

Devemos sincronizar nosso ritmo mental e espiritual com a intuição e aceitar as mudanças de rumos que nos são colocadas, de tempos em tempos, em função das nossas atitudes passadas, percebendo que nossas insatisfações são apenas um sinal que de que precisamos melhorar.

Crie novos planos e metas, mas viva o aqui e o agora. É preciso olhar o mundo sabendo que estamos de passagem. Construa algo, por menor que seja, que possa ajudar os seres humanos que ainda estão para chegar a este mundo. Brinque mais, pratique mudanças internas e liberte-se dos apegos.

Só assim sentirá orgulho de si mesmo. Saiba que vale a pena lutar para ser uma pessoa melhor. O retorno que a vida nos dá é do tamanho do nosso merecimento. Lembre-se de que o mecanismo de projeção também se aplica para as qualidade das pessoas. Quando você admira sinceramente alguém, significa que você também possui essa qualidade.


LEMBRE SE:

O simples fato de assumir a postura acusatória, já denota um certo déficit de consciência. Quem amadureceu apresenta um alto grau de tolerância às deficiências e ambiguidades alheias. Defende-se, mas de forma cuidadosa e contida, nunca tornando a defesa um ataque vingativo.
(Irmã Eugênia)

terça-feira, 25 de junho de 2013

Ética X Moral

Ética é o conjunto de valores e princípios que usamos para responder a três grandes questões da vida: (1) quero?; (2) devo?; (3) posso? Nem tudo que eu quero eu posso; nem tudo que eu posso eu devo; e nem tudo que eu devo eu quero. Você tem paz de espírito quando aquilo que você quer é ao mesmo tempo o que você pode e o que você deve. (Mário Sérgio Cortella)


Tudo me é permitido, mas nem tudo me convém. (1 Cor 10,23)

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Ame!

Centro Espíritas Vazios?!


                                                      

Procure compreender e se conscientizar de sua escolha e responsabilidade. Aqui não existe crítica nem cobrança, mas, tão e somente um momento para mais uma reflexão ...  
'Pensamentos, palavras e ações" ... precisam estar interligados. 
"Não adianta falar e não fazer" ... ainda é o EXEMPLO que ensina.
" Enquanto não vencermos a HIPOCRISIA E O PRECONCEITO, NADA SE CONSTRUIRÁ A FAVOR DE ...  
" UNIDOS VENCEREMOS ... " !Imagem inline 1

 10/06/2013

CENTROS ESPÍRITAS VAZIOS?!

Companheiros encarnados, com justa razão, têm manifestado preocupação com alguns Centros Espíritas vazios, ou seja, pouco frequentados.
Evidentemente que não se pode generalizar, já que muitos outros Centros apresentam excelente média de frequentadores em suas concorridas reuniões.
Quais seriam, porém, os motivos de, talvez, a maioria dos grupos espíritas não estar conseguindo agregar, em suas reuniões, significativo número de frequentadores regulares?
De minha parte, apenas com o propósito de colaborar com os que vêm estudando o assunto, naturalmente preocupados com o futuro do Movimento, tomarei a liberdade de enumerar algumas das razões que consigo vislumbrar:

1 – Falta de exemplificação da Mensagem por parte de suas lideranças, que mantê m considerável distância dos frequentadores da Casa – às vezes, sequer os cumprimenta.
2 – Dirigentes centralizadores, que, por ciúme de seus cargos, não concedem espaço para trabalhar àqueles que estão chegando agora.
3 – Reuniões excessivamente teóricas, priorizando a prática mediúnica em detrimento à prática das tarefas assistenciais, que consideram secundárias.
4 – Ausência de intercâmbio com outros grupos e seareiros, na crítica sistemática contra médiuns e oradores com opiniões divergentes de seus diretores personalistas.
5 – Falta de incentivo aos jovens na Mocidade Espírita, que, praticamente, está se extinguindo.
6 – Pouco ou quase nenhum apoio à Evangelização Infantil, à qual não se destina indispensável investimento humano e espiritual.
7 – Diretores que não se preocupam em formar novos colaboradores da Causa.
8 – Ingerência dos Órgãos Unificadores que apontam o problema, mas não se dispõem auxiliar para que sejam devidamente solucionados.
9 – Carência de verdadeira fraternidade nas reuniões, promovendo necessária abertura aos companheiros que se dedicam à Arte Espírita, tornando a referidas reuniões menos cansativas e rotineiras.
10 – Falta de palestras doutrinárias cujos temas, deixando de ser maçantes e repetitivos, sejam apresentados com certa leveza, interessando a todos.
11 – Buscar a periferia, na certeza de que somente o trabalho na periferia fortalece o Centro – foi assim que o Espiritismo cresceu no Brasil!
12 – Tornar o próprio ambiente físico do Centro mais agradável – iluminado e florido, por exemplo! Reunião espírita não é velório!
13 – Não falar em Kardec sem falar em Jesus, e não falar em Jesus e Kardec sem falar em Chico Xavier.
14 – Não pregar moralismo.
15 – Semear e semear, incansavelmente, sem ter pressa de colher.

Não podendo a referida falha estar na excelência da mensagem que, na revivescência do Evangelho, a Doutrina veicula, ela só pode estar com aqueles que não se mostram aptos para apresentá-la a quem por ela procura.
 

INÁCIO FERREIRA

Uberaba – MG, 10 de junho de 2013.
 


"Ninguém se evade das consequências de seus atos, como planta alguma produz diferente fruto da sua própria estrutura fatalista."
Joanna De Ângelis              
                                                                                               
                                                                                           
       

domingo, 23 de junho de 2013

Reforma Íntima (Harmonização Interior)


Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que leva à perdição, e muitos são os que entram por ela. Que estreita é a porta, e que apertado o caminho que leva para a vida, e que poucos são os que acertam com ela!" 
(Mateus, VII: 13-14)

"A porta da perdição é larga, porque as más paixões são numerosas e o caminho do mal é o mais freqüentado. A da salvação é estreita, porque o homem que deseja transpô-la deve fazer grandes esforços para vencer as suas más tendências, e poucos se resignam a isso. Completa-se a máxima: "São muitos os chamados e poucos os escolhidos." Este é o estado atual da Humanidade terrena, porque, sendo a Terra um mundo de expiações, nela predomina o mal. Quando estiver transformada, o caminho do bem será o mais freqüentado."

"Mas quais as faltas de que a Humanidade seria culpada para merecer uma sorte tão triste no presente e no futuro, se toda ela estivesse na Terra e a alma não tivesse outras existências? Por que tantos escolhos semeados no seu caminho? É assim que, com a unicidade da existência estamos incessantemente em contradição com nós mesmos e com a justiça Divina. Com a anterioridade da alma e a pluraridade dos mundos, o horizonte se alarga, iluminam-se os pontos mais obscuros da fé, o presente e o futuro se mostram solidários com o passado, e somente assim podemos compreender toda a profundidade, toda a verdade e toda a sabedoria das máximas do Cristo."

(Extraído da obra "O Evangelho Segundo o Espiritismo" - Allan Kardec)

Somente conseguindo elevar nossa própria vibração é que conquistamos o direito de acessar níveis superiores de consciência, pois o nível consciencial em que nos encontramos está diretamente ligado ao tipo de vibração com a qual nos mantemos sintonizados. 

Aí está a importância da constância no trabalho para a elevação de nossa própria vibração, pois, no atual estágio evolutivo em que nos encontramos, a maioria dos seres humanos, muitas são as ilusões que mantém nossa vibração no nível vibratório médio da humanidade, o qual, convenhamos, ainda não é dos melhores, como podemos observar, por exemplo, através dos inúmeros conflitos armados que encontramos atualmente em nosso planeta, frutos do egoísmo e da ganância humana, ou através dos gostos fúteis e paixões que movem os interesses da maioria, refletidos neste grande painel que é a mídia, onde, sem generalizar, podemos encontrar uma programação carregada de violência e banalidades como a sensualidade.

A vibração e bem como o nível de consciência em que nos encontramos, estão diretamente ligados àquilo que se passa em nosso interior, ou seja, nossas atitudes mentais, nossos sentimentos e seus reflexos diretos que são nossas palavras e ações. São basicamente estes padrões que formam nossa própria vibração e servem de medida para nosso próprio nível consciencial. É através de nossos próprios exemplos de vida que transparecemos aquilo que realmente somos e em que estado se encontra nosso interior. 

Cada pensamento, cada sentimento, palavra e ação são fatos geradores de energias, as quais, além de serem enviadas na direção do objeto ou pessoa a que se destinam, passam a compor nosso campo vibratório. Daí, concluímos que, se os pensamentos, sentimentos, palavras e ações que praticamos forem de baixo teor ou qualidade, também de baixo teor será nossa vibração, a qual, portanto, é a resultante das energias geradas por nossos pensamentos, sentimentos, palavras e ações. 

É a somatória do campo vibratório de cada indivíduo que compõe o campo vibratório que envolve um planeta, o qual, quando muito negativo, além de gerar comoções na própria humanidade, como por exemplo os inúmeros tipos de doenças desconhecidas, pode gerá-las também na natureza do próprio planeta, os chamados cataclismos. 

Vem daí, portanto, a importância de buscarmos realizar uma verdadeira reforma íntima, cujo objetivo é a reforma de nossos padrões de comportamento, ( pensamentos, sentimentos, palavras e ações), para que nosso comportamento não mais afete negativamente a nós mesmos, nossos semelhantes e ao meio em que vivemos, o que, conseqüentemente, nos proporciona a elevação de nossa própria vibração.

É a reforma íntima, na verdade, a única forma de alterarmos os prognósticos referentes a nós e ao mundo em que vivemos, quitando karmas que trazemos desde vidas passadas e evitando a geração de novos com seus conseqüentes sofrimentos.

O objetivo desta reforma é a transmutação em nosso íntimo, de todos aqueles pensamentos e sentimentos daninhos e destrutivos, como o egoísmo, a maldade, a ganância, o orgulho, a inveja, o preconceito, a maledicência, etc., para que possamos desta forma instaurar em nossos corações o AMOR universal e incondicional a todos os seres vivos, pois é somente através do AMOR incondicional que poderemos construir a PAZ incondicional. 

Para que possamos atingir este objetivo, o primeiro passo a ser dado é a mudança de nossas atitudes mentais, pois, como tudo no universo é fruto do pensamento Divino, é justamente na força criadora (ou destrutiva) de nosso pensamento que está nossa semelhança com o Criador, estando portanto em nossas atitudes mentais a chave de nosso próprio equilíbrio. 

Sendo a mudança de nossas atitudes mentais a base de nossa reforma íntima, fundamental é que procedamos uma análise dessas atitudes mentais com relação ao mundo em que vivemos, nosso próximo e para conosco mesmos, eliminando todo o tipo de pensamentos negativos e perniciosos. 

Podemos, por exemplo, iniciar este processo de melhoria de nossas próprias atitudes mentais verificando os seguintes aspectos:

Sermos beneficentes;

Sermos sinceros;

Sermos elogiadores;

Sermos engrandecedores;

Sermos valorizadores;

Procedermos a críticas férteis somente;

Respeitarmos sempre que nos referirmos a qualquer pessoa;

Sermos sensualmente discretos;

Procurarmos cenas de bondade, paisagens, contemplativas, em respeito à privacidade e intimidade alheia;

Evitarmos ouvir de violência, pornografia, futilidade, desonestidade e qualquer tipo de desrespeito às leis da vida.

Muito importante também para fortalecermos nossas intenções de nos tornarmos pessoas melhores, é o convívio com pessoas que já possuam alguma realização espiritual ou que também estejam buscando sua própria melhoria, as quais podem nos auxiliar com exemplos, conselhos e o apoio desinteressado que só aqueles que estejam imbuídos de uma real vontade de progredir espiritualmente podem prestar. Por isto, vale lembrar a importância de cativarmos as amizades verdadeiras e nos associarmos com as pessoas com as quais podemos edificar um verdadeiro trabalho espiritual. 

No decorrer do processo de reforma íntima, a partir de um determinado momento, principiamos a despertar e a adquirir consciência de nossa própria realidade como essências espirituais provenientes do Criador, passando naturalmente a almejar a harmonização e a religação com esta essência espiritual e com o próprio Criador. Para isto, é fundamental que prossigamos a nos orientar tendo por base a vida dos grandes mestres e avatares que por nosso mundo passaram, deixando em seu rastro luminoso os grandes exemplos de humildade e sabedoria, de renúncia e desprendimento da vida material, de serviço altruísta pela humanidade, e bem como de técnicas de harmonização que vão dos métodos devocionais, passando pelas práticas de yoga, concentração e meditação, até a utilização de plantas psicoativas para a expansão da consciência.

Swami Vivekananda em sua obra "Quatro Yogas de Auto-Realização", enfatizou a importância do trabalho de harmonização interior e da ligação com a essência espiritual da seguinte maneira: "O mundo externo não passa da forma grosseira do mundo interno, sutil. O mais fino é sempre a causa, o mais grosseiro é o efeito. O homem que descobre e aprende como manipular as forças internas, terá toda a natureza sob seu controle."

O despertar de nossas forças internas e de nosso potencial divino, vem através do autoconhecimento e da auto-realização da essência divina que habita nosso interior, a qual somente pode ser obtida através de uma persistente disciplina espiritual, osadhana, ou "caminho interior", como nos ensina Sathya Sai Baba, da qual, dependendo da predisposição e do esforço próprio do praticante, é aconselhável que constem práticas como o cântico de mantras, as técnicas de yoga visando o aprimoramento de nossa concentração mental, a meditação e o desenvolvimento da projeção da consciência, ou projeção astral.

Em todas estas práticas, porém, são de fundamental importância a dedicação e a constância, conforme nos esclarece novamente Swami Vivekananda, na mesma obra acima citada: "A prática é absolutamente necessária. Podeis sentar-vos e ouvir-me uma hora por dia, mas se não praticardes, não adiantareis um só passo para a frente. Tudo depende da prática. Jamais compreenderemos essas coisas se não as experimentarmos. Temos que vê-las e senti-las por nós mesmos. Simplesmente ouvir explicações e teorias ou apenas nos basearmos pela experiência dos outros, nada adiantará.

sábado, 22 de junho de 2013

TEXTO DE DIVALDO FRANCO SOBRE O CLAMOR POLÍTICO DOS BRASILEIROS

Segue texto de autoria de Divaldo Franco publicado no Jornal A Tarde de hoje, 20/06/13, sobre as manifestações estudantis pelo Brasil.

"Quando as injustiças sociais atingem o clímax e a indiferença dos governantes pelo povo que estorcega nas amarras das necessidades diárias, sob o açodar dos conflitos íntimos e do sofrimento que se generaliza, nas culturas democráticas, as massas correm às ruas e às praças das cidades para apresentar o seu clamor, para exigir respeito, para que sejam cumpridas as promessas eleitoreiras que lhe foram feitas...

Já não é mais possível amordaçar as pessoas, oprimindo-as e ameaçando-as com os instrumentos da agressividade policial e da indiferença pelas suas dores.

O ser humano da atualidade encontra-se inquieto em toda parte, recorrendo ao direito de ser respeitado e de ter ensejo de viver com o mínimo de dignidade.

Não há mais lugar na cultura moderna, para o absurdo de governos arbitrários, nem da aplicação dos recursos que são arrancados do povo para extravagâncias disfarçadas de necessárias, enquanto a educação, a saúde, o trabalho são escassos ou colocados em plano inferior.

A utilização de estatísticas falsas, adaptadas aos interesses dos administradores, não consegue aplacar a fome, iluminar a ignorância, auxiliar na libertação das doenças, ampliar o leque de trabalho digno em vez do assistencialismo que mascara os sofrimentos e abre espaço para o clamor que hoje explode no País e em diversas cidades do mundo.

É lamentável, porém, que pessoas inescrupulosas, arruaceiras, que vivem a soldo da anarquia e do desrespeito, aproveitem-se desses nobres movimentos e os transformem em festival de destruição.

Que, para esses inconsequentes, sejam aplicadas as corrigendas previstas pelas leis, mas que se preservem os direitos do cidadão para reclamar justiça e apoio nas suas reivindicações.

O povo, quando clama em sofrimento, não silencia sua voz, senão quando atendidas as suas justas reivindicações. Nesse sentido, cabe aos jovens, os cidadãos do futuro, a iniciativa de invectivar contra as infames condutas... porém, em ordem e em paz."

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Proteção, aura e paz


Nossa aura é construída através de nossa vivência espiritual e pelo modo que expressamos as virtudes da alma, das ideias divinas, bem como de tudo que é belo e repousante em nossa vida diária.
Uma aura radiante, com luz e cores puras é como um soldado que empunha um escudo que impede a entrada em nosso corpo de sentimentos e atitudes provenientes das frequências mais baixas.
Temos, pois, que zelar pelo brilho de nossa aura. Com disciplina, irradiaremos alegria, serenidade e paz. E assim ela poderá ser chamada de “aura da paz”.

O maior revolucionário...

Na Terra, sempre houve revolucionários e revoluções.

Talvez a mais célebre tenha sido a Revolução Francesa, na qual o levante do povo inverteu a ordem e o regime vigentes, substituindo a monarquia pela república.

Pouco mais de um século depois, na Rússia, outra revolução se fez, no propósito de implementar o comunismo.

Enfim, na história da Humanidade, contam-se, às centenas, os revolucionários e as revoluções.

Por mais variadas as intenções, por mais diversas que fossem as culturas onde aconteciam, em todas as épocas as revoluções surgiram.

Em comum, traziam o derramamento de sangue, as armas em punho, a violência para, muitas vezes, buscar o ideal de liberdade e paz.

* * *

Houve, no entanto, um homem que se tornou revolucionário sem nunca ter empunhado uma arma ou proposto a violência para que a Sua revolução se fizesse.

Foi revolucionário porque não teve medo de apontar as mazelas e defeitos que observava na sociedade.

Revolucionou quando colocou sobre o mesmo patamar de importância os párias, doentes, aleijados e cegos, religiosos, ricos e poderosos, homens e mulheres.

Revolucionou convenções sociais e religiosas quando essas não representavam senão simulacro externo, sem significado mais profundo.

Fez uma releitura das leis de Deus, mostrando a justiça e bondade Divinas permeando a tudo e a todos no Universo.

E chamou-O de Pai, quando tantos só O temiam ou não O entendiam.

Foi tal sua revolução silenciosa, que alguns poderosos, covardemente, preferiram calar-lhe o verbo de luz, desde que não suportavam as Suas verdades.

Contudo, quando morto, Sua mensagem ganhou mais força e venceu os séculos, convidando a todos que a ouvissem para aderir à Sua revolução.

Assim aconteceu com Saulo de Tarso, às portas de Damasco. Também se passou com Francisco, Il Poverello, na montanhosa Úmbria. Não diferente foi com Tereza D’Ávila, na Espanha medieval.

Não foram poucos aqueles que se permitiram imolar pela revolução que Jesus propôs.

Não uma revolução externa que visasse os ganhos do mundo. Mas a revolução interna, a mais desafiadora, para os ganhos da alma.

Essa é a revolução que Ele ainda aguarda que todos nós, um dia, possamos aderir.

Se séculos nos separam, nos dias de hoje, da Palestina que ouviu Seu cantar de amor, Ele ainda aguarda de todos nós que Sua mensagem nos revolucione o mundo íntimo.

Enquanto tantos O têm estampado na camiseta, pendurado ao pescoço ou no adesivo do vidro do carro, Ele aguarda ainda, que encontremos espaço em nossa intimidade para Ele.

Nenhuma preocupação com grandes edificações, mas somente com o templo de nossa intimidade. Não mais oferendas externas, mas os sacrifícios no altar de nosso coração.

Assim Ele aguarda que todos nós, tal como tantos que já O seguem, possamos fazer, definitivamente, da Sua mensagem, o nosso roteiro de conduta e a nossa estrada de luz.

Pensemos nisso e tomemos a sábia decisão de segui-lO, desde agora.

Este é o nosso momento de decisão.

Luz, paz e amor!!!

Foto: O maior revolucionário...


Na Terra, sempre houve revolucionários e revoluções.

Talvez a mais célebre tenha sido a Revolução Francesa, na qual o levante do povo inverteu a ordem e o regime vigentes, substituindo a monarquia pela república.

Pouco mais de um século depois, na Rússia, outra revolução se fez, no propósito de implementar o comunismo.

Enfim, na história da Humanidade, contam-se, às centenas, os revolucionários e as revoluções.

Por mais variadas as intenções, por mais diversas que fossem as culturas onde aconteciam, em todas as épocas as revoluções surgiram.

Em comum, traziam o derramamento de sangue, as armas em punho, a violência para, muitas vezes, buscar o ideal de liberdade e paz.

* * *

Houve, no entanto, um homem que se tornou revolucionário sem nunca ter empunhado uma arma ou proposto a violência para que a Sua revolução se fizesse.

Foi revolucionário porque não teve medo de apontar as mazelas e defeitos que observava na sociedade.

Revolucionou quando colocou sobre o mesmo patamar de importância os párias, doentes, aleijados e cegos, religiosos, ricos e poderosos, homens e mulheres.

Revolucionou convenções sociais e religiosas quando essas não representavam senão simulacro externo, sem significado mais profundo.

Fez uma releitura das leis de Deus, mostrando a justiça e bondade Divinas permeando a tudo e a todos no Universo.

E chamou-O de Pai, quando tantos só O temiam ou não O entendiam.

Foi tal sua revolução silenciosa, que alguns poderosos, covardemente, preferiram calar-lhe o verbo de luz, desde que não suportavam as Suas verdades.

Contudo, quando morto, Sua mensagem ganhou mais força e venceu os séculos, convidando a todos que a ouvissem para aderir à Sua revolução.

Assim aconteceu com Saulo de Tarso, às portas de Damasco. Também se passou com Francisco, Il Poverello, na montanhosa Úmbria. Não diferente foi com Tereza D’Ávila, na Espanha medieval.

Não foram poucos aqueles que se permitiram imolar pela revolução que Jesus propôs.

Não uma revolução externa que visasse os ganhos do mundo. Mas a revolução interna, a mais desafiadora, para os ganhos da alma.

Essa é a revolução que Ele ainda aguarda que todos nós, um dia, possamos aderir.

Se séculos nos separam, nos dias de hoje, da Palestina que ouviu Seu cantar de amor, Ele ainda aguarda de todos nós que Sua mensagem nos revolucione o mundo íntimo.

Enquanto tantos O têm estampado na camiseta, pendurado ao pescoço ou no adesivo do vidro do carro, Ele aguarda ainda, que encontremos espaço em nossa intimidade para Ele.

Nenhuma preocupação com grandes edificações, mas somente com o templo de nossa intimidade. Não mais oferendas externas, mas os sacrifícios no altar de nosso coração.

Assim Ele aguarda que todos nós, tal como tantos que já O seguem, possamos fazer, definitivamente, da Sua mensagem, o nosso roteiro de conduta e a nossa estrada de luz.

Pensemos nisso e tomemos a sábia decisão de segui-lO, desde agora.

Este é o nosso momento de decisão.

Luz, paz e amor!!!

quinta-feira, 20 de junho de 2013

20 EXERCÍCIOS PARA REFORMA ÍNTIMA

1. Executar alegremente as próprias obrigações.
2. Silenciar diante da ofensa.
3. Esquecer o favor prestado.
4. Exonerar os amigos de qualquer gentileza para conosco.
5. Emudecer a nossa agressividade.
6. Não condenar as opiniões que divergem da nossa.
7. Abolir qualquer pergunta maliciosa ou desnecessária.
8. Repetir informações e ensinamentos sem qualquer azedume.
9. Treinar a paciência constante.
10. Ouvir fraternalmente as mágoas dos companheiros sem biografar nossas dores.
11. Buscar sem afetação o meio de ser mais útil.
12. Desculpar sem desculpar-se.
13. Não dizer mal de ninguém.
14. Buscar a melhor parte das pessoas que nos comungam a experiência.
15. Alegrar-se com a alegria dos outros.
16. Não aborrecer quem trabalha.
17. Ajudar espontaneamente.
18. Respeitar o serviço alheio.
19. Reduzir os problemas particulares.
20. Servir de boa mente quando a enfermidade nos fira.


quarta-feira, 19 de junho de 2013

Desencarnação: estudo de um caso



Publicado em 22/05/2013
Programa ao vivo transmitido em: http://www.icefaovivo.com.br, via internet aberto a perguntas via MSN: icefaovivo@gmail.com.
Toda semana um convidado com temas diversos, sempre de acordo com a Doutrina Espírita. Quartas-Feiras início 20:05hs.
ICEF - Instituto de Cultura Espírita de Florianópolis
Participe!

"A maior caridade que se pode fazer ao Espiritismo é a sua divulgação!" - Emmanuel.

"Divulgar o Espiritismo por todos os meios e modos dignos ao alcance, é tarefa prioritária!" - Bezerra de Menezes.

"Divulgar, em cada programa de rádio e televisão, ou programas outros de expansão doutrinária, conceitos e páginas das obras do Espiritismo. A base é indispensável para qualquer edificação!" - André Luiz.

terça-feira, 18 de junho de 2013

Plasma criador oriundo da mente, Faculdade criadora e Consciência quântica

É pelo fluido mental com qualidades magnéticas de indução que o progresso se faz notavelmente acelerado.

Pela troca dos pensamentos de cultura e beleza, em dinâmica expansão, os grandes princípios da Religião e da Ciência, da Virtude e da Educação, da Indústria e da Arte descem das Esferas Sublimes e impressionam a mente do homem, traçando-lhe profunda renovação ao corpo espiritual, a refletir-se no veículo físico que, gradativamente, se acomoda a novos hábitos. 

Épocas imensas despendera o princípio inteligente para edificar os prodígios da sensação e do automatismo, do instinto e da inteligência rudimentar; entretanto, com a difusão do plasma criador oriundo da mente, em circuitos contínuos, consolida-se a reflexão avançada entre o Céu e a Terra, e os fluidos mentais ou pensamentos atuantes, no reino da alma, imprimem radicais transformações no veículo fisiopsicossomático, associando e desassociando civilizações numerosas para construí-las de novo, em que o homem, herdeiro da animalidade instintiva, continua, até hoje, no trabalho progressivo de sua própria elevação aos verdadeiros atributos da Humanidade.

O advento da Física Quântica causou e tem causado enormes transformações na vida de todos nós.

Nem sempre e nem todos estamos conscientes dos modos pelos quais uma revolução científica iniciada há cem anos pode nos afetar ainda hoje, mas provavelmente já ouvimos falar de seu impacto na evolução da própria Física e de toda controvérsia gerada pelas dificuldades conceituais de interpretação dos fenômenos quânticos.

Seus efeitos, porém, se estenderam para além da Física, com desdobramentos importantes na Química, com a teoria de orbitais quânticos e suas implicações para as ligações químicas, e na Biologia, com a descoberta da estrutura do DNA e a inauguração da genética molecular, apenas para citar dois exemplos.

Mesmo conscientes disso tudo, estaríamos preparados para mais essa: para a possibilidade de que a própria consciência possa operar com base em princípios ou efeitos quânticos?

Pois é o que andam conjecturando algumas das mentes mais brilhantes de nosso tempo e alguns franco-atiradores também.

A descoberta do mundo quântico, que tanto impacto teve nas ciências e tecnologias, ameaça agora envolver o "etéreo" universo da psique.

Muita vez, as criaturas instituem o mal, desviam a corrente natural das circunstâncias benéficas, envenenam as oportunidades, estacionando longuíssimo tempo em tarefas reparadoras ou expiatórias; entretanto, ainda ai é forçoso observar a manifestação incessante do poder criador que nos é próprio, mesmo naqueles que se transviam em verdade, caem nos despenhadeiros do crime, lançam-se aos vales da sombra, mas, organizando e reorganizando as próprias ações, adquirem o patrimônio bendito da experiência; e, com a experiência, alcançam a luz, a paz, a sabedoria e o amor com que se aproximam de Deus.

Concluímos, deste modo, que, se a psicologia analítica de Freud e de seus colaboradores avançou muito no campo da investigação e do conhecimento, resolvendo, em parte, certos enigmas do psiquismo humano, falta-lhe, no entanto, a chave da reencarnação, para solucionar integralmente as questões da alma.

Impossível é resolver o assunto em caráter definitivo, sem as noções de evolução, aperfeiçoamento, responsabilidade, reparação e eternidade.

Não vale descobrir complexos e frustrações, identificar lesões psíquicas e deficiências mentais, sem as remediar em suma, não satisfaz o simples exame da casca: é essencial atingir o cerne e determinar modificações nas causas.

Para isto, é imprescindível confessar a realidade do reencarnacionismo e da imortalidade.

Até lá, portanto, auxiliemos nossos amigos do mundo na conquista da confiança em si mesmos, na penetração da esperança divina e no contínuo auto-aprimoramento pelo trabalho redentor.

É preciso dizer desde logo que, na verdade, essa história não é assim tão nova. Desde o início de sua formulação, a Física Quântica apresentou uma dificuldade essencial: a necessidade de se atribuir um papel fundamental para a figura do observador (aquele que está realizando um experimento quântico).

Isso decorre do fato da teoria quântica ser de caráter não determinístico, ou seja, trata-se de uma teoria para a qual a fixação do estado inicial de um sistema quântico (um átomo, por exemplo) não é suficiente para determinar com certeza qual será o resultado de uma medida efetuada posteriormente sobre esse mesmo sistema.

Pode-se, contudo, determinar a probabilidade de que tal ou qual resultado venha a ocorrer.

Mas, quem define o que estará sendo medido e tomará ciência de qual resultado se obtém-se com uma determinada medida é o observador. Com isso, nas palavras de E. P. Wigner, "foi necessária a consciência para completar a mecânica quântica".


NO MUNDO MAIOR - Francisco Cândido Xavier - pelo espírito André Luiz - 20ª edição. [página 167] 
EVOLUÇÃO EM DOIS MUNDOS - Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira – André Luiz 20ª edição. [página 100]

domingo, 16 de junho de 2013

Pensamento, Sintonia e Energias

por Carlos Augusto Parchen

O ser humano é um complexo, que pode ser avaliado sobre diferentes visões: científica, religiosa, filosófica, holística, etc. Cada visão tem suas particularidades e abordagens, que enfatizam as “cores” da sua proposta ou linha de pensamento.
No entanto, um ponto de convergência começa a se consolidar como aceito pela maioria das visões: o componente energético do ser humano, e as sua interfaces com a natureza e com os outros seres da criação.
Com o desenvolvimento científico e os avanços tecnológicos, cada vez mais se estuda, diagnostica e teoriza sobre energias no complexo humano, como o pensamento emite energias, como se sintoniza e absorve energias do ambiente, etc.
O espiritismo kardecista enfatiza a questão energética do ser humano, colocando o componente energético e suas relações como tão ou mais importante que o componente material (físico, orgânico).
A base dos sistemas de auto-ajuda está na mentalização positiva, ou seja, na geração de energias positivas ao redor da pessoa.
A natureza é um imenso oceano de vibrações e energias, onde os seres transitam, influenciando e sendo influenciado por essa torrente energética e vibratória.
A física quântica, com suas teorias complexas e revolucionárias, traz à luz da discussão científica, o componente não material nos fenômenos da natureza, o elemento “organizador” da estrutura material e de seus fenômenos.
As colocações que fizemos até agora, visam chamar nossa atenção para a questão energética e sua influência e relações em nossa vida. Vamos abordar a questão específica dos nossos pensamentos e de nossa sintonia energética e vibratória.
O ser humano absorve energias das mais diversas, de forma automática, e as metaboliza em sua estrutura energética, que o espiritismo denomina de perispírito. Essa absorção e metabolização, faz parte normal do funcionamento do complexo humano, ocorrendo de maneira automática, ou seja, é um processo inconsciente ou transparente, numa linguagem mais moderna, que ocorre independente da percepção ou decisão voluntária da pessoa.
Caixa de texto:
Essas energias absorvidas são constituídas das energias e vibrações do ambiente em que estamos inseridos, e se constituem de elementos presentes na natureza (como o Fluído Cósmico Universal, radiações eletromagnéticas, etc.), de fluídos (emissões energéticas de processos orgânicos ou perispirituais de outros seres da criação) e de vibrações e pensamentos advindos de outros seres humanos ou espíritos.
A metabolização no nosso complexo, transforma essas energias absorvidas em componentes específicos da nossa “circulação” energética, distribuindo estes em todo o nosso organismo físico e perispiritual, servindo como verdadeiro “alimento” para o complexo humano.
Por ser um processo automático, a absorção de energias pelo nosso organismo está ajustado, naturalmente e automaticamente, ao padrão energético e vibratório específico do indivíduo, ou seja, ao nível vibratório correspondente ao seu estado mental e espiritual do momento.
Isso significa dizer que as energias absorvidas pelo indivíduo são do mesmo padrão vibratório em que ele se encontra no momento, ou seja, nosso complexo energético tem uma espécie de “filtro”, que deixa passar apenas as energias com as quais afinamos e sintonizamos.
Evidentemente, um estado de desequilíbrio no nosso campo mental e espiritual, promove imediatamente um reajuste no nosso sistema energético, o que nos leva também a sintonia com determinado tipo de energia, que passará a ser “filtrada” para o nosso sistema energético, incorporando-se, pela metabolização ao sistema perispiritual e físico.
O equilíbrio ou o desequilíbrio no campo mental e espiritual do indivíduo, determina, portanto, que “qualidade” ou “tipo” de energia será absorvido por ele.

Caixa de texto:
Caixa de texto:
Se estamos equilibrados, harmonizados, vibrando no bem, nosso “filtro” promove a absorção de boas energias, correspondentes ao nosso “patamar vibratório”, bloqueando a absorção de padrões energéticos “ruins”.
Se estamos desequilibrados, desarmonizados, invigilantes com nossos pensamentos, nosso patamar vibratório se ajusta com energias “ruins”, e nosso filtro bloqueia a absorção das energias boas e promove a assimilação de energias desequilibradas.
É fácil deduzir que se absorvemos um determinado padrão energético, com uma certa “qualidade”, seja ela positiva (boa) ou negativa (ruim), a metabolização dessas energias produz componentes energéticos de qualidade similar, que se distribuem pelo nosso organismo físico e perispiritual, afetando-o com a qualidade inerente ao tipo e qualidade da energia absorvida.
Também podemos inferir que o padrão vibratório/energético absorvido, uma vez metabolizado em nosso complexo perispirítico, reforça o estado vibratório (patamar) que permitiu sua absorção, ou seja, reforçamos o estado de equilíbrio ou desequilíbrio em que nos encontramos. Por isso é necessário a vigilância constante sobre nossa sintonia mental/espiritual, para que não nos deixemos levar pelos pensamentos inadequados, pelas vibrações negativas, pelos sentimentos menos dignos, pelas emoções descontroladas, pois isso permitirá que iniciemos um processo de absorção de energias negativas, que por sua vez reforçam nosso estado de desequilíbrio, o que pode, em persistindo esta situação, colocar-nos em contato com seres desequilibrados, causar-nos doenças e desequilíbrios físicos, psíquicos e espirituais.
Em contrapartida, a vigilância para que nosso pensamento, nossa sintonia permaneça sempre elevada, voltada a prática do bem, do amor e da caridade, permite que, constantemente, fiquemos sintonizados e absorvendo as energias equilibradas, o que reforça nosso equilíbrio e bem estar físico, psíquico e espiritual, trazendo a sensação agradável de estar em sintonia com energias elevadas. Esse é o retorno, a recompensa imediata de quem pratica o amor e a caridade. Traz o prazer em se praticar o bem.
Caixa de texto:
Ao entender este mecanismo, podemos afirmar que é muito importante que busquemos, com um esforço constante, com muita consciência, uma mentalização positiva para o nosso foco mental, para os nossos pensamentos, em todas as etapas e momentos de nossa vida, em casa, no trabalho, no lazer, no trânsito...., de modo a garantir a sintonia com um patamar energético mais elevado, com a conseqüente absorção e metabolização de energias benéficas e reforçadoras de nosso comportamento no caminho do bem.
De outra forma, deve ser evitado que nosso foco mental vague em paragens menos dignas. Temos que zelar para que nosso pensamento não seja direcionado para as coisas negativas e destruidoras. Não devemos focar a negatividade, os problemas, as inconformidades, nem sintonizar com a desgraça, pois nesse caso nos comportaremos como urubus, que voam alto apenas para focalizar a carniça, para dela se alimentar.
Pensamento no bem, pensamento calmo, pensamento positivo, pensamento criador, foco no amor e na caridade. Esse é o caminho da mentalização, da sintonia e da absorção das boas energias. Lembremo-nos que as palavras expressam pensamentos. Que saiam de nossas bocas as boas palavras e de nosso coração as boas atitudes.
Devemos sempre ter em mente que a energização que nos envolverá, depende, em cada instante, apenas de nossa atitude mental, e que na aplicação prática de nossa vida, a ligação com o alto se faz na aplicação das boas virtudes, com o exercício constante do bem, seja em que atividade estivermos.
Nosso bem estar depende apenas de nós mesmos.
Carlos Augusto Parchen
Dezembro de 2000
Centro Espírita Luz Eterna – CELE
Sociedade Espírita Fraternidade – SEF

sábado, 15 de junho de 2013

Alírio de Cerqueira Filho - Energia dos Chakras e Autocura




Publicado em 08/04/2013


Dr. Alírio de Cerqueira Filho

Médico, CRM-MT 2242, biólogo com habilitação em ecologia. Pós-graduado em Homeopatia; Psicologia e Psicoterapia Transpessoal; Especialização em Psiquiatria; Master Practitioner e Trainer na arte de Programação Neurolingüística. Realizou curso de formação em terapia Regressiva a Vivências Passadas. É consultor de empresas e profissionais para Assuntos de Inteligência Emocional; educador transpessoal e escritor, autor do livro A Arte da Competência Essencial e outros. Tem 18 anos de experiência como médico; psicoterapeuta; facilitador de cursos, seminários e palestras, realizadas no Brasil e exterior. Diretor técnico-científico do Instituto Brasileiro De Plenitude Humana® - I.B.P.H. <http://www.plenitude.com.br/index.php?paginas_ler&homeopatia&id=1098>

Sobre o pensamento

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Inteligência emocional e reforma íntima: como dissolver a raiva?

'Evoluídos' sentem raiva só por um minuto
Por Emilce Shrividya

As escrituras do yoga dizem que uma pessoa evoluída conserva sua raiva por um minuto; uma pessoa comum conserva-a por meia hora e uma pessoa ainda não evoluída conserva sua raiva por um dia e uma noite. Mas uma pessoa cheia de mágoas lembra-se de sua raiva até morrer.

É humano sentir raiva, faz parte de nossa evolução, mas devemos esquecê-la rapidamente. Não devemos alimentá-la nos lembrando dela, nem remoendo acontecimentos passados, porque a raiva causa uma grande inquietude interior.

Somos as primeiras vítimas de nossa própria raiva. Ela nos queima por dentro, tirando nossa paz; obscurece nossos pensamentos, distorce nossas percepções.

A raiva acumulada, guardada um pouco aqui e ali, nos prejudica muito e nos afasta de Deus, de nossa verdadeira essência divina, de nossa bondade e compaixão.

As pessoas pensam que alguém ou algo lhes provoca raiva, mas essa raiva já existe dentro delas, é criada e mantida por elas. Se você sente raiva, não pode culpar a ninguém a não ser você mesmo. 

Aprenda a lidar com a raiva

É necessário aprender a lidar com a raiva e nos livrar de seus efeitos negativos tanto físicos, mentais e espirituais. 

Como o desejo está muito ligado à raiva, é importante quando sentimos raiva perguntar a nós mesmos o que queremos desta situação que não estamos conseguindo. Isto cria uma mudança em nosso foco. E em vez de ficarmos presos na raiva, nós a observamos. E logo depois, podemos perguntar a nós mesmos de que outra maneira podemos conseguir o que queremos. E podemos perceber que idéias alternativas surgem na mente e isto melhora nossa frustração e diminui a raiva.

Existem pessoas que gostam de ficar com raiva. Sentem satisfação, poder e liberdade quando têm explosões de raiva. Acham que até aliviam as tensões, mas depois se culpam e lutam para controlar isso. Ajudaria muito se elas entendessem que mesmo que possam sentir alívio no momento, isto não funciona. A raiva apenas escraviza, e é prejudicial tanto fisicamente, psicologicamente e espiritualmente.

Porém existem momentos que a raiva é incontrolável e nem temos tempo de nos fazer perguntas sobre o que queremos. Nesses momentos, não é possível sentir desapego, ficamos presos completamente. O que podemos fazer?

A melhor saída

A melhor saída é sair da situação! Dar uma volta, se afastar do ambiente ou da pessoa, tomar um copo de água, respirar algumas vezes profundamente, lembrar-se de Deus, do mantra.

Depois quando nos acalmarmos, podemos voltar e lidar com o assunto de uma maneira mais equilibrada, sem ofender e magoar os outros; sem nos desequilibrar. 

Quando falamos de uma maneira tranquila sem raiva, o outro pode até nos entender e ouvir melhor, mas quando falamos com raiva só criamos mais conflitos e desarmonia.

Para se afastar no momento da discussão ou apenas ficar calado até se acalmar é necessário humildade. Quando estamos com muita raiva, queremos que a outra pessoa admita que está errada e isto é orgulho. Esse orgulho impede que nos acalmemos. Mas se você admitir que dissolver a raiva é mais importante do que provar que o outro está errado, você sente a humildade que lhe liberta da tirania da raiva. 

Todos os inimigos internos alimentam uns aos outros e se estamos presos no orgulho é mais difícil lidar com a raiva. A humildade nos ajuda a testemunhar o que está acontecendo dentro de nós.

VALIOSAS DICAS DO OSHO SOBRE A RAIVA:
(...) Ele jogou um palito de fósforo e explodiu a pólvora que existe dentro de mim. A centelha seria inútil se não houvesse munição dentro de mim. O que eu vejo não é a pilha de munição dentro de mim, mas a centelha do adversário. 

Quando alguém provocar raiva em você, esqueça a pessoa imediatamente e concentre-se naquele a quem a raiva está acontecendo (você).

E comece a olhar para dentro – para aquilo que está acontecendo dentro! Não reprima. Permita completa liberdade ao que estiver acontecendo. Feche-se no seu quarto e mergulhe totalmente no que está acontecendo. É melhor ver o que está acontecendo, da forma mais clara possível.

Feche as portas e observe a sua própria loucura em sua inteireza, pois os outros já a testemunharam muitas vezes. Só você que não viu; os outros já se divertiram às suas custas. Você só toma ciência quando a coisa acabou, quando o fogo se foi e só restaram as cinzas. 

Só uma pessoa com muito medo pode ficar imediatamente zangada. Se ela não ficar com raiva, você poderá ver o medo dela. (...) A raiva encobre o medo. Ao ficar com raiva, a pessoa está querendo deixar você com medo: antes que você forme qualquer ideia sobre o medo dela, ela está tentando deixar você com medo. 

Não briguemos com nenhum sentimento, nenhuma emoção que aconteça a nós. São expressões de vida, são expressões daquele momento que estamos vivendo.

Tudo que nos acontece pertence a uma dimensão maior que nós mesmos, embora não tenhamos consciência disso, acontece dentro de uma infinita e sábia consciência. Por isso, sempre que alguma emoção nos acontecer, observemos, tomemos consciência dela e deixemos fluir de uma maneira sábia, e construtiva. 

O medo significa que estamos encolhidos, estamos atualizando algumas memórias inconscientes. O medo é puro instinto de sobrevivência, e merece nossa atenção máxima, a consciência do que ele está nos apontando, do que ele quer nos ensinar. Em geral são aspectos primitivos que vem à tona (e nossa mente racional teima em encobrir, pois mostra aspectos frágeis que "não condizem com nossa posição atual".)

O medo é belo, é nossa criança medrosa colocando a cara para fora, e nos mostrando que aquilo ainda precisa ser curado, precisa ser cuidado com atenção e amor. 

Cantar, dançar, correr, gritar, fazer atividades físicas, as artes marciais, socar almofadas, as meditações ativas do Osho, nadar, enfim...uma infinidade de atitudes podem ser mecanismos ótimos de descarga dessa raiva. Ela é uma energia yang muito poderosa e que quando direcionada de forma construtiva se transforma em uma incrível energia criativa, construtiva e artística.

Em vez de guardamos raiva por horas, ou dias, podemos largá-la logo e evitar assim muitos momentos de sofrimento. Basta não alimentarmos essa raiva, não remoendo e lembrando acontecimentos passados. Se voltarmos nossa atenção para outras coisas e para o momento presente, ficamos livres da raiva e podemos ter momentos felizes.

A raiva acumulada desde a infância gera a depressão que tira a alegria de viver. Hoje em dia muitos médicos receitam remédios para depressão que podem até aliviar um pouco os sintomas, mas enquanto a pessoa não for na causa verdadeira da depressão, ela vai ficar sempre dependente e triste, pois depressão é a raiva acumulada, é uma doença da alma, portanto.

Como diz a Bhagavad Gita, uma escritura do Yoga:

Aquele que é capaz de suportar, aqui na terra, a agitação que resulta do desejo e da raiva, é disciplinado; ele é verdadeiramente um homem feliz.[5:23]
Princípio que se aplica tanto para o relacionamento interpessoal,
quanto para o relacionamento intrapessoal (isto é: de você para você mesmo)!

Cultive emoções positivas

Porém não podemos nos libertar da raiva simplesmente suprimindo-a. É necessário cultivar com constância os antídotos da raiva: a tolerância e a paciência.

Perceba em sua vida os efeitos benéficos da tolerância e da paciência e perceba também os efeitos destrutivos e negativos da raiva, dos ressentimentos e mágoas.

Estas: contemplação e conscientização vão lhe motivar a desenvolver esses sentimentos de tolerância, paciência e aceitação além de fazer com que você tenha mais cuidado em não alimentar pensamentos de raiva.

Para ficarmos livres desse inimigo interno tão destrutivo que surge de uma mente insatisfeita e descontente, é essencial gerar o contentamento interior, a gratidão e o entusiasmo; cultivar a bondade, a benevolência e a compaixão. Isto vai produzindo serenidade mental que impede a raiva de se manifestar.

A prática regular da meditação nos ajuda muito a dissolver a raiva e transformá-la em paciência, aceitação, e o perdão surgirá espontaneamente. Com o perdão podemos abandonar os sentimentos negativos associados aos acontecimentos passados nos livrando das sensações de raiva e ressentimentos. Fique em paz!

Referências bibliográficas:
Encontrei a Vida- Muktananda, Swami- Ed. Vozes.
Lama, Dali-A arte da Felicidade-Ed. Martins Fontes.
Meu Senhor ama um coração puro- Chidvilasananda,Swami- Ed. Siddha Yoga Dham Brasil