quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Nadis e marmas corporificação da energia e entrada do self


Alex Grey é artista desta imagem (www.alexgrey.com)
Um slide que explica como ocorre a integração dos vários corpos da consciência desde o zigoto até o feto, segundo a Ayuvérdica. *Ayurveda é o nome dado ao conhecimento médico desenvolvido na Índia há cerca de 7 mil anos, o que faz dela um dos mais antigos sistemas medicinais da humanidade. (fonte: wikipédia)
=========================
Trata-se de uma boa fonte de pesquisa, pois o assunto é intrigante e são poucas ainda as informações trazidas pela ciência tradicional do Ocidente. Nessa feita, o slide difunde um valoroso entendimento de como  ocorrem os processos que ligam o espírito ao corpo material.

Para entender quais são esses corpos, assista ao vídeo, clicando no link abaixo: 

A aula de anatomia que o colégio não ensina!


=================================
VOCABULÁRIO:

NADIS: uma nadi (plural: nadis) é uma formação de energia na forma de canal na qual o prana flui e pode se conectar aos chakras. Ele ainda não é aceito pela comunidade científica. (fonte: wikipédia)

SÃO OS NOMES DOS CHAKRAS EM SÂNSCRITO (para entender melhor um pouco algumas expressões usadas na apresentação):

MULADHARA - Chakra Base ou Raiz
Localização: Base da espinha dorsal
Glândula: Supra-renais

SWADSHITANA - Chakra Esplênico
Localização: Ventre, próximo ao órgão sexual.
Glândula: Gônadas.

MANIPURA - Chakra do Plexo Solar
Localização: Próximo ao umbigo.
Glândula: Pâncreas

ANAHATA - Chakra Cardíaco
Localização: Próximo ao coração.
Glândula: Timo.

VISHUDA - Chakra da Garganta
Localização: Em frente à Garganta.
Glândula: Tiróide.

AJNA – Terceiro Olho
Localização: Entre as sobrancelhas.
Glândula: Pituitária.

SAHACRARA - Chakra da Coroa
Localização: Alto da Cabeça.
Glândula: Pineal


(www.alexgrey.com)

Celulas tronco: a visão do Espiritismo e a do Direito (STF)


Slide disponibilizado pela prof. Eugênia, instrutora do ESDE I 2012.1:

A despeito da visão espírita, o Supremo Tribunal Federal apoia as pesquisas com células-tronco embrionárias, conforme abaixo se sustenta: 
Constituição Federal de 1988
TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais
Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:
I - a soberania
II - a cidadania
III - a dignidade da pessoa humana; 
Nota: O Plenário do STF, no julgamento da ADI 3.510, declarou a constitucionalidade do art. 5º da Lei de Biossegurança (Lei 11.105/2005), por entender que as pesquisas com células-tronco embrionárias não violam o direito à vida ou o princípio da dignidade da pessoa humana.

"A pesquisa científica com células-tronco embrionárias, autorizada pela Lei 11.105/2005, objetiva o enfrentamento e cura de patologias e traumatismos que severamente limitam, atormentam, infelicitam, desesperam e não raras vezes degradam a vida de expressivo contingente populacional (ilustrativamente, atrofias espinhais progressivas, distrofias musculares, a esclerose múltipla e a lateral amiotrófica, as neuropatias e as doenças do neurônio motor). A escolha feita pela Lei de Biossegurança não significou um desprezo ou desapreço pelo embrião in vitro, porém uma mais firme disposição para encurtar caminhos que possam levar à superação do infortúnio alheio. Isto no âmbito de um ordenamento constitucional que desde o seu preâmbulo qualifica ‘a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça’ como valores supremos de uma sociedade mais que tudo ‘fraterna’. O que já significa incorporar o advento do constitucionalismo fraternal às relações humanas, a traduzir verdadeira comunhão de vida ou vida social em clima de transbordante solidariedade em benefício da saúde e contra eventuais tramas do acaso e até dos golpes da própria natureza. Contexto de solidária, compassiva ou fraternal legalidade que, longe de traduzir desprezo ou desrespeito aos congelados embriões in vitro, significa apreço e reverência a criaturas humanas que sofrem e se desesperam. Inexistência de ofensas ao direito à vida e da dignidade da pessoa humana, pois a pesquisa com células-tronco embrionárias (inviáveis biologicamente ou para os fins a que se destinam) significa a celebração solidária da vida e alento aos que se acham à margem do exercício concreto e inalienável dos direitos à felicidade e do viver com dignidade (Min. Celso de Mello). (...) A Lei de Biossegurança caracteriza-se como regração legal a salvo da mácula do açodamento, da insuficiência protetiva ou do vício da arbitrariedade em matéria tão religiosa, filosófica e eticamente sensível como a da biotecnologia na área da medicina e da genética humana. Trata-se de um conjunto normativo que parte do pressuposto da intrínseca dignidade de toda forma de vida humana, ou que tenha potencialidade para tanto. A Lei de Biossegurança não conceitua as categorias mentais ou entidades biomédicas a que se refere, mas nem por isso impede a facilitada exegese dos seus textos, pois é de se presumir que recepcionou tais categorias e as que lhe são correlatas com o significado que elas portam no âmbito das ciências médicas e biológicas." (ADI 3.510, Rel. Min. Ayres Britto, julgamento em 29-5-2008, Plenário, DJE de 28-5-2010.)

Reunião ESDE de 28 de fevereiro de 2012

Na reunião de 28 de fevereiro de 2012  não pude comparecer, mas alguns agentes especiais - infiltrados ;) rs: prof. Eugênia e Fabíola, prestaram um serviço excelente para as pessoas que faltaram ou as interessadas pelas atividades do Centro e que queiram acompanhar um pouco do ESDE por aqui. 

Fizeram um trabalho bem feito e me passaram o seguinte relatório:

Leu-se a pág. 50 até à pág. 57, concluindo o item 3.2 - Os primeiros estudos sérios de Espiritismo.

Falou-se também que o pseudônimo Allan Kardec, usado pelo Hippolyte Léon Denizard Rivail, foi um pedido dos Espíritos, a fim de se evitar qualquer tipo de repressão da época, e também Allan Kardec foi sua reencarnação passada.

Também se questionou em qual momento o Espírito encarna no corpo da criança, se na concepção ou no nascimento. Mas de acordo com o Livro dos Espíritos, o espírito não encarna no embrião, mas fica vinculado a ele e durante o parto, na hora do choro do bebê, é que o espírito encarna, soprando-lhe a vida. 

Falou-se ainda sobre embriões congelados e, com isso, indagou-se se o espírito fica junto ou não do embrião, esperando a continuidade do processo para poder encarnar... Enfim, essa discussão ficou para a próxima semana.

"Formando a base pra uma nova consciência"

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Minha Vida na Outra Vida: a história real

“Mary morreu aos 21 anos antes do meu nascimento, mas as memórias de sua vida e de seu tempo sempre fizeram parte de mim, moldando de maneira decisiva a pessoa que me tornei. Este é o relato da minha busca pelos filhos de Mary e por auto-entendimento. Ao pesquisar o passado, tive de desenterrar e enfrentar os meus sentimentos de inadequação e medo, descobrindo suas motivações. Sabia que precisava encontrar os meus filhos de 'ontem' ou minha vida sempre seria ofuscada pelas lembranças de um passado de tristeza, raiva e perda. De certo modo, este livro foi escrito para e por causa dos filhos de Mary1.”
Com as afirmações acima, Jenny Cockell inicia o relato das suas lembranças de uma vida anterior, Minha Vida em Outra Vida. Embora este tipo de relato tenha se tornado muito comum, sendo facilmente encontrado vários títulos à respeito, o de Jenny Cockell é diferente, constituindo uma das mais sólidas evidências em favor da realidade do fenômeno reencarnatório. O leitor mais cético, ao lê-lo, ficará no mínimo intrigado com a riqueza de detalhes, informações e dados apresentados.
Nascida em 1953 na Inglaterra, no seio de uma família não muito religiosa, desde a infância Jenny Cockell vivia dividida entre a vida atual e a passada. Tinha um sonho recorrente, que sempre a conduzia às lágrimas: estava num hospital, sozinha, agonizante. Sabia que o seu nome era Mary e que iria morrer. Dominava-a, não o temor da morte, mas a angústia e o desespero por estar deixando, contra a sua vontade, oito filhos ao léu, sem o suporte e a orientação necessárias.
Este sonho, ao lado de lembranças fragmentárias que surgiam no estado de vigília, fizeram parte do quotidiano de Jenny Cockell, influenciando profundamente o seu desenvolvimento psicológico, emocional e social.
Mas, afinal, quem era aquela mulher, chamada Mary? Será que era este mesmo o nome dela? O que ela tinha a ver com Jenny? Por que o mesmo sonho sempre se repetia? Por que parecia sentir a mesma aflição que Mary sentia? Como explicar que também se julgasse de algum modo responsável pelo destino dos filhos de Mary?


Um curioso quebra-cabeças...


“Grande parte das minhas memórias vinha em fragmentos isolados e, às vezes, tinha dificuldade de dar um sentido a elas. Mas outras partes eram bastante completas e repletas de detalhes. Era como um quebra-cabeça com certas peças apagadas, outras fora de lugar e algumas bem nítidas e fáceis de encaixar. Os filhos ocupavam a maior parte das minhas memórias, assim como o chalé e sua localização. Outros locais e pessoas não eram tão nítidos para mim2.”
As nossas lembranças normalmente desafiam a lógica, sendo muito difícil entender por que lembramos disto e não daquilo. As lembranças da infância quase sempre assomam de forma desordenada, sem obedecer a nenhuma cronologia. Nós lembramos, frequentemente, de algo que foi emocionalmente significativo para nós. Ocorre o mesmo com as lembranças de vidas passadas.
É excelente a forma como Jenny Cockell categoriza as suas lembranças, comparando-as a um quebra-cabeça “ (…) com certas peças apagadas, outras fora de lugar e algumas bem nítidas e fáceis de encaixar”. A montagem deste quebra-cabeça parece ter sido a sua missão na vida atual.
Entre as lembranças que tinha destacava-se a do chalé em que morava com o marido e os filhos. Nele desenrolou-se a conturbada e curta vida de Mary. A lembrança era tão nítida que Jenny foi capaz de fazer uma precisa descrição dele e até mesmo esboçar um mapa com a sua localização. Lembrava, também, com muita clareza do vilarejo em que vivia e das suas ocupações diárias. Contudo, o objeto central das suas recordações, como não poderia deixar de ser, era a preocupação com os filhos.
Mary casara-se cedo com um forasteiro, um ex-combatente da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), que logo se demonstrou soturno e agressivo. Sua vida não era fácil. Miserável talvez fosse o melhor qualificativo para caracterizá-la. Muitas vezes Mary e os filhos passaram fome...


Algumas lembranças precisas...


“Havia algumas certezas ligadas às lembranças das pessoas, dos lugares e das emoções. Sempre soube que o período no qual Mary viveu se estendia de 1898 a 1930. Também sabia que ela vivera na Irlanda. Não posso explicar por que ou como esse conhecimento estava, de algum modo, presente em minha mente. De certa maneira, essa lembrança me causava problemas. Por exemplo, meus irmãos, conscientes de minhas preferências, sabiam que eu só brincaria de soldado se me deixassem defender a Irlanda3.”
Impressiona a minudência e a precisão das lembranças de Jenny Cockell. No trecho acima destacado ela revela o período em que Mary teria vivido, entre 1898 e 1930, bem como o lugar, em alguma parte da Irlanda. Não obstante não saber explicar de onde advinha semelhante certeza, as verificações que mais tarde foram feitas provaram que elas estavam mais do que certas.
Numa análise retrospectiva, Jenny Cockell compreendia muito bem o impacto que as suas lembranças tiveram na vida atual, desde tenra idade, determinando comportamentos, predileções e atitudes.
O fato das suas lembranças serem tão vívidas talvez se deva ao forte componente emocional que elas veiculam. A dor da separação dos filhos deve ter sido tão intensa, a angústia por deixá-los sozinhos no mundo tão grande, o sentimento de culpa acentuado por não conseguir vencer a morte para atendê-los conforme precisavam, possivelmente exerceram a função de catalizadores destas lembranças em Jenny Cockell.
Só mesmo a preocupação e amor de uma mãe para superar até os limites impostos pela morte...


Normalidade das lembranças.


“Eu não tinha nenhum motivo para duvidar que essas lembranças eram reais. Pensava que lembranças desse tipo eram comuns e, por isso, esperava que outras pessoas as tivessem também4.”
Infelizmente, não temos por hábito considerar cada um na realidade que lhe é própria. O que é normal para mim talvez não o seja para outro e vice-versa. Mas isso não significa que eu ou o outro sejamos anormais, apenas que somos diferentes, contextualizados em nossas experiências, habilidades, conhecimentos e conquistas interiores. Foi assim com Jenny...
Acreditando que todos se lembravam da vida anterior, Jenny Cockell demorou um pouco em entender a sua singularidade.
Recordava de um diálogo que tivera com sua mãe, quando contava apenas quatro anos de idade. Regressava da escolinha dominical e sua mãe lhe perguntou se havia gostado, ao que ela respondeu afirmativamente, manifestando, entretanto, um certo estranhamento. Não conseguia entender por que num lugar em que se falava tanto da vida e da morte, não se falava também das vidas passadas! A mãe de Jenny ficou chocada com a indagação da filha, pois ninguém na família era reencarnacionista, nem sequer a reencarnação era assunto em suas conversações. A mãe relutou muito tempo em aceitar as lembranças estranhas que a filha possuía...
Ali, naquele diálogo franco e desembaraçado com a mãe, Jenny Cockell descobriu “(...) que a reencarnação era vista como uma crença, não um fato5.”
Até hoje a maioria das pessoas encara a reencarnação como uma crença partilhada por algumas religiões e pessoa, não como uma realidade biológica, à qual todos estamos submetidos, aceitando ou não.


Influências do passado...


“Ao longo desses anos de relacionamentos desastrosos, sendo que o último se desgastara tanto que me deixou traumatizada, sempre tentei me lembrar da relação de Mary com seu marido, se era boa ou não. No início fora fácil me recordar dele, um homem bonito e imponente que surgira na vida de Mary logo após o término da I Guerra Mundial [...]6.”
O nosso passado espiritual interfere diretamente sobre nossa existência atual. As primeiras relações amorosas de Jenny Cockell, por exemplo, foram conturbadas, refletindo o padrão negativo gerado no relacionamento pregresso de Mary com o esposo. Por sofrer-lhe repetidas agressões, Mary fechava-se em si mesma, como um caracol, tendo muito medo e dificuldade de expressar seus sentimentos de uma forma aberta.
Esta característica negativa do passado persistiu por longos anos, até que Jenny se deu conta da mesma e passou a trabalhá-la em seu mundo íntimo. Depois de algum tempo, encontrou um companheiro que a completava, casando-se com ele e tendo dois filhos.


Nada se perde...


“Sempre quis ter filhos, por isso passei muitos anos fazendo roupas para eles antes mesmo de nascerem. Costurar roupas, que na minha vida atual descobrira ser uma habilidade instintiva, aparecia frequentemente como parte da memória de Mary. E, por alguma razão, o casaco do garoto mais novo permanece na minha mente, talvez porque ele mexia na bainha quando andava. Era um casaco de lã e me lembro de tê-lo costurado a mão, aproveitando o tecido de um velho casaco. Um sentimento de orgulho pela qualidade do meu trabalho também faz parte desta lembrança7.”
É surpreendente o encadeamento lógico entre as vidas de Mary e de Jenny. Uma mesma alma, mas com muitas vidas. A continuidade, não só das lembranças, mas também de características e habilidades de Mary em Jenny, oferecem um demonstrativo da interdependência e solidariedade que há nas vidas sucessivas.
A ansiedade e o desejo de Jenny por filhos era ao mesmo tempo a ansiedade e o desejo de Mary pelos seus.
Jenny recordava-se que Mary era uma exímia costureira, lembrando especificamente de um casaco que fizera para o filho mais novo. Sem aprendizagem prévia, desde pequena, Jenny demonstrou intimidade com a agulha e as linhas, habilidade que constituía herança da existência anterior.
Da mesma forma nós, no âmbito das nossas tendências e pendores, revelamos a ação das experiências pregressas, adquiridas nas vidas passadas.


Os filhos desta vida.


“A obsessão pela minha vida passada, apesar de não ocupar mais o primeiro plano, não foi deixada de lado. Ela estava esperando o tempo certo para emergir novamente e foi retornando aos poucos. Conforme meus filhos cresciam e a força do meu sentimento materno era nutrida pelo amor deles, aumentava também a necessidade de encontrar a minha família da outra vida. Aquelas crianças tinham sido privadas ainda na infância daquilo que os meus filhos estavam desfrutando agora, por isso sentia que tinha que fazer algo a respeito. Parecia não ser mera coincidência o fato de a minha necessidade de busca pela vida passada se intensificar conforme me aproximava da idade com que Mary morreu, trinta e poucos anos [...]8.”
Ao tornar-se mãe, a ansiedade de Jenny diminui, assim como as lembranças da vida anterior. Contudo, a medida que o tempo passava, elas voltaram a se manifestar, agora com uma intensidade quase insuportável. Foi uma fase muito difícil para ela.
Jenny Cockel chama a atenção para o fato de que a intensificação das lembranças ocorria justo quando estava entrando na casa dos trinta anos, a mesma idade que Mary tinha quando morreu. São mais do que curiosas essas relações temporais. A vida de Jenny, conquanto diferente, seguia paralelamente a de Mary.
Enquanto não encontrasse os filhos da vida passada, Jenny sabia que não teria paz dentro si.


Sessões hipnóticas.


“A hipnose é uma experiência estranha mesmo quando não há regressão. Todas as lembranças que ficaram escondidas no subconsciente e às quais não tinha acesso vêem à tona. É uma faca de dois gumes: uma experiência ao mesmo tempo maravilhosa e perturbadora. Algumas das memórias que as pessoas escondem no fundo de suas mentes estão lá por uma boa razão. Talvez essas sejam as lembranças que elas se sentem incapazes ou não têm coragem de enfrentar, e que foram escondidas como uma forma de autoproteção. Ao revelarmos e expormos qualquer uma de nossas memórias profundas, somos forçados a olhar de novo tanto para as lembranças esquecidas como para as reprimidas9.”
Por estar angustiada e aflita em função das suas lembranças, Jenny Cockell aceitou o conselho de uma amiga e buscou o concurso se um hipnoterapeuta, recorrendo à regressão para resolver o seu drama particular, obtendo maiores informações sobre a vida de Mary.
Várias sessões hipnóticas transcorreram e tiveram o efeito desejado, desencadeando um turbilhão de lembranças da vida anterior.
Com o material recolhido das regressões e das lembranças espontâneas, Jenny Cockel deu início a grande busca, nesta vida, dos filhos da vida anterior. Era a sua odisséia pessoal.
Acreditava que o vilarejo em que vivera era Malahide, localizado próximo a Dublin, na costa leste da Irlanda.
Após corresponder-se com alguns moradores da localidade, fez uma viagem até lá, confirmando a autenticidade das suas lembranças.
O quebra-cabeça começava a mostrar contornos mais nítidos...

Notícias alvissareiras...


Jenny Cockell escreveu várias cartas para os moradores daquela localidade, indagando sobre uma mulher, provavelmente chamada Mary, que teria vivido num chalé (deu a sua localização), possuindo oito filhos, tendo morrido na década de 30...
Para sua surpresa, uma de suas cartas foi respondida pelo Senhor Mahon, que lhe escreveu:
“Quanto à mãe que faleceu na década de 1930, chamava-se senhora SUTTON. Acredito que o seu esposo era um soldado britânico que lutou na Primeira Guerra. Após sua morte, os filhos foram enviados para orfanatos. Posteriormente, a filha mais velha Mary voltou para casa. Acredito que o marido retornou ao Reino Unido, a fim de treinar soldados para Segunda Guerra. As crianças foram educadas em escolas católicas, mas talvez o pai pertencesse à Igreja da Irlanda10.”
Jenny não coube em si de tanto contentamento, sua busca rendera os primeiros resultados significativos.
Munida dos dados fornecidos pelo Sr. Mahon, obteve o nome e a data de nascimento dos filhos de Mary:
Mary (?)
Sonny (1919)
Jeffrey (1923).
Philomena (1925).
Christopher (1926).
Francis (1928).
Bridget (1929).
Elizabeth (1932).
Pesquisando o endereço em listas telefônicas, pelo sobrenome, escreveu para várias pessoas, na expectativa que alguma delas tivesse notícia sobre o paradeiro dos filhos de Mary.


Um telefonema inesperado...


Certo dia, depois de ter chegado em casa do trabalho, Jenny Cockell foi agradavelmente surpreendida por uma ligação. Era de um dos seus filhos, Jeffrey.
“Apesar de certa confusão do outro lado da linha, revelou-me vários detalhes sobre a família e me deu os endereços e números de telefones de dois dos irmãos, Sonny e Francis (Frank). Os garotos, Sonny, Jeffrey, Christopher e Frank, tinham se encontrado anos antes, mas o paradeiro das filhas era desconhecido. As garotas foram enviadas a um orfanato diferente, uma escola de freiras na verdade, e tinham perdido contato com os irmãos11.”
Momento constrangedor para Jenny, quando Jeffrey perguntou como ela sabia tanto da família dele e qual era a ligação com ela. Como Jenny explicaria as lembranças da vida anterior? Como diria para um homem que poderia ser o seu pai que ela, na verdade, era a sua mãe reencarnada? Jenny apenas conseguiu dizer que lembrava da família através de sonhos. Jeffrey demonstrou grande reserva e ceticismo ante aquela revelação e custou a entrar em contato de novo.


A conversa com Sonny.


“Na terça-feria, 15 de maio de 1990, tomei coragem e liguei para ele. Quando Sonny atendeu, ouvi uma voz suave com forte resquício de um sotaque do sul da Irlanda. Lembrara dele como uma criança direta e franca, portanto, sabia que precisava ser bem sucinta sobre quem era e por que estava ligando. Isso não foi fácil, mas expliquei que lembrara da família através de sonhos, falando rapidamente do chalé e que este era o primeiro à esquerda […]. Esse homem de 71 anos, nascido em 1919, rapidamente captou a mensagem do que tentava explicar. Ele confirmou logo de cara que a posição do chalé estava correta. Fiquei emocionada. Era algo que não tinha sido capaz de confirmar até aquele momento12.”
A conversa de Jenny com Sonny foi muito proveitosa. Sonny demonstrou maior abertura do que Jeffrey para aceitar as lembranças de Jenny. Conversaram longamente...
Jenny contou coisas que lembrava da infância de Sonny e o deixou boquiaberto, pois não entendia como alguém que nunca tivera contato com ele, pudesse ter informações tão particulares e precisas a seu respeito. Em especial, ela lembrava de um dia em que Sonny trouxera para casa, em uma armadilha, uma lebre que ainda estava viva... Foi um dia de alegria e de fartura para toda a família de Mary. Este relato comoveu profundamente Sonny, pois não era conhecido de mais ninguém, apenas dele, dos irmãos e da mãe.
Jenny descobriu que após sua morte, os filhos, por impossibilidade de serem criados pelo pai, foram recolhidos em orfanatos, os meninos sendo separados das meninas.
Os meninos mantiveram contato entre si, ainda que esporádico, mas nunca mais souberam das irmãs.
A partir do contato feito por Jenny, entretanto, foi possível localizar as demais irmãs.
Estava cumprida a missão de Jenny Cockell, uma vez que conseguira reunir em torno de si, os filhos da outra vida, reatando laços que nem o tempo, nem a morte, foram capazes de extinguir.
Por isso mesmo, a história de Jenny Cockell pode ser definida, sem contradita, como uma surpreendente história de amor, de um amor transcendente de uma mãe pelos seus filhos...


________________________________________ 

1COCKELL, Jenny. Minha Vida em Outra Vida. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, 2007. p.9.
2Idem, p.18.
3Idem, p.22.
4Idem, p.25.
5Idem, p.26.
6Idem, p.35.
7Idem, p.38.
8Idem, p.40-41.
9Idem, p.55.
10Idem, p.127-128.
11Idem, p.151.
12Idem, p.155.

As emoções da água


Por Eduardo Araia

Uma técnica fotográfica desenvolvida pelo pesquisador japonês Masaru Emoto mostra que a estrutura da água pode ser alterada pela interferência da natureza e do homem. Pensamentos e emoções positivos ou negativos, poluição, música relaxante ou rock pesado - tudo isso é refletido na beleza ou na feiúra dos cristais de água.

     Os flocos de neve, como se sabe, têm suas "impressões digitais" – nenhum deles é igual aos outros. Cada um é uma coleção de cristais de gelo congelados juntos. Mas a versão dominante da água na Terra, em estado líquido - tanto a de uma nascente quanto a tratada para consumo nas grandes cidades, por exemplo -, parece sempre igual. Será mesmo?

   
Masaru Emoto a presidente da Sociedade Internacional Hado, do Japão, voltada a investigação das energias sutis da natureza e do homem em sua relação com a consciência humana
     O pesquisador japonês Masaru Emoto, especialista em medicinas naturais e estudioso das energias sutis que nos cercam e sua relação com a consciência humana, decidiu investigar o assunto desde as décadas de 80 e 90. As informações que colheu nos dão uma dimensão muito mais rica e complexa do líquido essencial para a vida no planeta, ocupante de cerca de 75% da superfície terrestre é de 65% do corpo humano adulto. Emoto acredita que a água tem mensagens importantes a nos transmitir. Ele assegura que a vibração que envolve pensamentos, palavras e músicas e capaz de mudar a estrutura molecular da água.
     Emoto voltou-se para esse tema a partir do contato com o americano Lee Lorenzen, bioquímico formado pela Universidade de Berkeley, na Califórnia, que desenvolveu a chamada "água microparticulada" (ou água de ressonância magnética). Com Lorenzen, Emoto conheceu um aparelho fundamental, que lhe permitiu medir a energia vital (por ele denominada hado): o Analisador de Ressonância Magnética, ou, na sigla em inglês, MRA. Com o MRA, Emoto conseguiu que uma quantidade de água impregnada com as vibrações hado transmitisse essa energia para determinado volume de água microparticulada preparada por Lorenzen. Energizado, esse líquido mostrou-se útil no tratamento de saúde de algumas pessoas.


Água de rios, lagos e pântanos


Emoto flagrou algumas das oposições mais drásticas entre a água ainda imune à poluição e aquela que já sofre com seus efeitos. Um ótimo exemplo é dado pelo rio Fuji: perto da nascente (foto maior, à esquerda), seu cristal tem um magnífico tom de perola; na corrente media, mais poluída (foto à direita, acima) a imagem resultante é feia e caótica; na foz (ultima foto), graças aos efeitos purificadores de peixes e crustáceos que habitam a região, a aparência melhora.



Com a evolução das pesquisas, Emoto interessou-se em documentar essa mudança de alguma maneira. Uma suspeita também o inquietava: será que a água energizada era sempre limpa? No caso de estar suja, não prejudicaria a saúde de quem a ingerisse? Veio-lhe então a idéia de congelar gotículas do líquido e fotografá-las. O resultado, além de surpreendente em termos estéticos, também se mostrou muito elucidativo no que se refere à qualidade da água.
Emoto desenvolveu uma técnica fotográfica específica para suas pesquisas. Inicialmente, ele e sua equipe distribuíram a amostra de água a ser examinada em placas de Petri (caixas de vidro ou plástico usadas em bacteriologia) e colocaram o material num congelador durante duas horas. Depois disso, as placas foram retiradas e os cristais resultantes foram levados ao microscópio para serem fotografados, num ambiente a -5° Celsius. Cada foto mostrava os cristais ampliados entre 200 e 500 vezes.
A partir daí, o pesquisador procurou variar seu objeto de estudo. Empresas e voluntários ajudaram-no a reunir amostras de mananciais, de água de chuva, dos rios, lagos e pântanos, do Japão e do mundo. Outros exemplares vieram dos serviços de fornecimento de água a grandes cidades. Para observar a transformação do líquido sob a influência de pensamentos, palavras, imagens e música, ele utilizou sempre água destilada. Em quatro anos e meio, mais de dez mil fotos foram batidas e armazenadas. Elas constituem a base do livro Mensagens da Água, ainda não publicado no Brasil (sua versão em espanhol foi publicada pela editora La Liebre de Marzo). As imagens obtidas por Emoto são espetaculares. Mas, para ele, elas são bem mais que simples imagens de cristais. São mensagens. A primeira série de fotos compara as cristalizações obtidas com águas puras e aquelas produzidas por águas poluídas, recolhidas no Japão e em vários outros lugares do mundo, As águas mais limpas dão cristais em grande numero, de forma hexagonal, regulares. As águas sujas apresentam dificuldades para se cristalizar, seu descongelamento mostra zonas amorfas, com cristais formados pela metade ou de aspecto tortuoso e "doentio".


Água de mananciais


Os exemplos mais bonitos de cristais de água provem, previsivelmente, da água corrente não afetada pelas atividades humanas. Entre eles, Emoto destaca alguns ligados à devoção religiosa, como a água da fonte de Lourdes, na Franca (foto à esquerda). O brilho emitido pelos cristais da água encontrada em Hogget Diamond, uma antiga mina de extração de diamantes e opalas para use industrial localizada na Tasmânia, lembra curiosamente o de cristais de diamante.



Claro, pode-se sempre pensar que as partículas em suspensão nessas águas possam alterar os processos de formação de cristais. Mas as séries de fotografias que Emoto nos mostra a seguir são inacreditáveis. Emoto, por exemplo, expõe água destilada a diferentes tipos de música. Embora, nessas experiências, a água-testemunho seja pobre em cristais, quando ela a colocada entre dois alto-falantes que difundem música de relaxamento essa mesma água forma uma miríade de mandalas transparentes. Bach, Mozart e Beethoven dão origem a estruturas nitidamente geométricas; músicas populares em geral dão formas cristalinas mais simples; o rock-and-roll e a música pop fazem surgir violentas explosões, estruturas fragmentadas em seqüências de quadrados ou em ondas, excluindo toda simetria hexagonal.
Emoto não para aí. Ele faz experiências com a água em contato com a palavra escrita, em ideogramas japoneses, ampliados e impressos por computador. Durante uma noite inteira, dois lotes de ampolas permanecem envelopadas, o primeiro lote por uma folha onde esta escrita à palavra "obrigado". No papel que envolve o segundo lote, esta escrito um insulto grosseiro, No dia seguinte, os resultados das fotografias desses dois lotes são impressionantes: no primeiro caso, aparecem os belos cristais hexagonais; no segundo, apenas figuras caóticas, indefinidas!
Emoto afirma que é impossível obter imagens idênticas dos cristais - não se consegue reproduzir a perfeição o mesmo cristal duas vezes. Mas os cristais revelam uma tendência estrutural, chamada trama ou estrutura laminar. Em todos os exemplos coletados, tanto nos que apresentavam belos cristais hexagonais quanto naqueles em que não se notavam cristais, percebia-se uma tendência à formação de uma trama.


Água de cidades


Em geral, a água corrente fornecida as populações das grandes cidades japonesas que Emoto e sua equipe avaliaram demonstrou dificuldade em formar cristais hexagonais. Como o pesquisador lembra em seu livro, elas são tratadas quimicamente para serem consideradas potáveis - no Japão, ressalta Emoto, a lei que específica as condições da água potável é especialmente severa. O tratamento pode inibir as doenças, mas a água resultante nunca se cristaliza da forma como o faz na natureza. O pesquisador apresenta também exemplos colhidos em cidades fora do Japão, como Paris, Londres, Nova York, Vancouver (Canadá), Buenos Aires e Manaus. A água das capitais européias teve desempenho semelhante à fornecida na maioria das cidades japonesas; a das cidades das Américas saíram-se bem melhor, mas Emoto assinala que os critérios de desinfecção não são tão exigentes quanto os japoneses. Na foto abaixo, água de Buenos Aires.



 

Água e palavras


Outra experiência curiosa feita pela equipe de Emoto foi envolver as amostras de água destilada com papéis nos quais estavam escritas palavras diferentes, em línguas como japonês, inglês e coreano. A influência, é claro, pode não ser simplesmente dos dizeres, mas das mentes dos pesquisadores envolvidos no processo, mas os resultados merecem ser observados. Entre os exemplos mais destacados estão o de "obrigado" em japonês e inglês (fotos acima, respectivamente). Os cristais resultantes são perfeitos, belos e luminosos.


 

As fotos acima são de cristais produzidos por amostras da mesma água destilada envolvidas em papel com a frase "Você a estúpido" em japonês e inglês. A água não consegue formar cristais regulares.



As amostras de água das fotos acima foram envolvidas em papéis com os dizeres "Alma" (esquerda) e "Demônio" (direita). Os resultados são impressionantes. No primeiro caso, a foto mostra um cristal regular, luminoso e de grande beleza. No segundo caso, a estrutura resultante é escura e caótica.


A probabilidade maior é a da formação de cristais hexagonais. A não-ocorrência disso - típica da água disponível nas metrópoles ou em água poluída - é um mau sinal, ressalta o pesquisador. Emoto lembra que, como ciência, este ainda é um projeto embrionário. "As imagens dos cristais de água expressam a condição dessa amostra de água, nesse momento particular, desse dia particular", observa em Mensagens da Água. Para elevar a análise a um nível cientifico, avalia, "os cristais devem ser observados diariamente, em diferentes situações, e analisados com a participação de muitas pessoas". Mesmo assim, seu trabalho serve como ponto de partida para uma investigação inovadora, muito mais ampla - e promissora - sobre uma das substâncias-chave da vida neste planeta.


Água de geleiras

Emoto também colheu amostras da superfície de geleiras para análise. O gelo da Antártida, do qual resultou a foto ao lado, teria, segundo o autor, 370 mil anos - e, para Emoto, é um alívio a forma desse cristal não ser tão diferente da de exemplares encontrados hoje.


Água de chuva


Emoto ressalta que a água pluvial, origem da água de mananciais, tem variáveis importantes, como a época do ano em que caiu, o local (poluído ou não, uma metrópole ou uma região rural, uma área mais ao norte ou ao sul, por exemplo). As amostras foram colhidas, imediatamente postas para congelar e a seguir fotografadas. No geral, não houve cristalizações completas. Entre os exemplos mostrados vale a pena destacar o de Tokorozawa. As fotos abaixo foram tiradas em 1988, quando a atmosfera dessa cidade estava muito poluída.


E resta sempre a pergunta: se os resultados evidenciados pelas fotografias de Emoto correspondem mesmo à realidade da natureza da água, e se nós mesmos, humanos, temos cerca de 65% de água na constituição de nossos corpos, como reage essa água humana ao entrar em contato com todos os estímulos positivos e negativos, externos e internos, que diariamente nos atingem?


Música e água


A música afeta decisivamente a água, como mostram as fotos que Emoto fez a partir de amostras de água destilada. Uma série particularmente interessante e beta e a que apresenta amostras dessa água depois de serem expostas a composições destinadas ao relaxamento e a cura dos ouvintes. Outras belas imagens foram obtidas com o use da Sinfonia Pastoral, de Beethoven, das Variações Goldberg, de Bach, de um sutra tibetano e de uma canção da compositora irlandesa Enya. O rock "Heartbreak Hotel", de Elvis Presley, já provocou efeitos diferentes - interpretados por Emoto como "desestruturados" e "como num turbilhão confuso". E o exemplo de heavy metal apresentado na foto ao lado, sem identificação da música empregada, lembra as imagens de águas poluídas.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

A aula de anatomia que o colégio não ensina!


Quem assistiu a aula sobre o perispírito, publicada no dia 26/02, vai entender melhormente do que se trata agora. Pois o perispírito, expressão batizada por Allan Kardec, se refere aos nossos corpos. O duplo etérico, um dos componentes do corpo humano, é o veículo de animação do corpo físico, bem como o veículo de manifestação do corpo astral.
Não obstante a inseparabilidade dos corpos, se não, para meros efeitos didáticos, além do corpo físico e do astral - ambos se disponibilizam do energético (ou duplo etérico) - , há ainda o mental  (dentro de uma classificação tríade, a mais simplificada de todas). Cada corrente ideológica ou filosófica ou científica se utiliza de classificações diversificadas e nomenclatura exclusiva, mas todos se interconectam e trazem em si uma face do espelho da verdade (ver a publicação pelo link a seguir: A verdade é o espelho: uma reflexão sobre verdades e religiões).

AURA HUMANA - CONFORME EXPLICAÇÃO DO VIDEO

Logo, quando há o desencarne, descarta-se o último corpo: o material (ou físico), seguindo-se a nossa vida por meio do corpo astral, com as percepções diferenciadas, coadunantes com a dimensão a qual se expressa. Podemos pensar assim para entender: É possível viver na água sem um envoltório especial que viabilize a interação com o meio, sem um escafandro ou roupa de mergulho, nesse caso? Ou ir para a Lua sem a proteção de uma roupa própria, que nos adapte ao meio? Do mesmo modo, ao morrermos, o corpo físico se torna dispensável, então prosseguimos em condições condignas com a realidade que estamos a interagir.

Diante das inúmeras dimensões existentes, conforme o nosso estado de evolução, caminhamos com vários envoltórios que nos acomodam sob certas circunstâncias as quais precisamos até que se promova o aprendizado interno, a reforma íntima, para que vibremos em sintonias cada vez mais próximas da consciência universal, a de Deus, a do amor, a da vida!

Em destaque (conforme o vídeo):
É sabido que o corpo físico é formado por no mínimo 70% de água. É também sabido que a água é um dos elementos mais magnetizáveis que existe (lembre-se da água fluidificada que tomamos após os passes) (v. o link: As emoções da água). Foi explicado que cada célula está conectada a um micro-chakra. Cada mitocôndria se compõe essencialmente de água, assim, os nossos pensamentos atuarão sobre os nossos chakras, que conectados às células, atuarão como organizadores ou desorganizadores delas, em consequência, a depender da qualidade dos pensamentos emitidos.

Então, percebe-se o seguinte esquema causal: pensamentos negativos --> ondas mais lentas --> energias mais densas, menos fluídicas (prejudicam a irrigação dos centros de energia, os chakras) --> desarmonização dos chakras --> desequilíbrio das células ---> doença.


Para entender melhor essa relação grifada em azul, leia o livro, nesta postagem, cujo o link a seguir se destaca, indicado: 
Livro Saúde Integral, os chakras e a bionenergia, da coleção Sem mistérios, apresentada por Victor Rebelo

Para entender melhor a menção sobre as ondas, assista ao vídeo correspondente a este link: 
Aula sobre o perispírito - a quem quer entender a Ciência Espírita!


Há vida após o nascimento?

No ventre de uma mulher grávida estavam duas criaturas conversando
quando uma perguntou à outra:
- Você acredita em vida após o nascimento?
A resposta foi imediata:
- Certamente. Algo tem que haver após o nascimento.
Talvez estejamos aqui principalmente porque precisamos nos preparar
para o que seremos mais tarde.
- Bobagem, não há vida após o nascimento! Como seria essa vida?
- Eu não sei exatamente, mas certamente haverá mais luz do que aqui.
Talvez caminhemos com nossos próprios pés e comeremos com a boca.
- Isso é um absurdo! Caminhar é impossível. E comer com a boca? É
totalmente ridículo!
O cordão umbilical é o que nos alimenta. Eu digo somente uma coisa: a
vida após o nascimento é uma hipótese definitivamente excluída – o
cordão umbilical é muito curto.
- Na verdade, creio que certamente haverá algo.
Talvez seja apenas um pouco diferente do que estamos habituados a ter aqui.
- Mas ninguém veio de lá, ninguém voltou depois do nascimento.
O parto apenas encerra a vida.
Vida que, no fim das contas, é nada mais do que uma angústia
prolongada nesta absoluta escuridão.
- Bem, eu não sei exatamente como será depois do nascimento mas, com certeza,
veremos mamãe e ela cuidará de nós.
- Mamãe? Você acredita em mamãe? E onde ela supostamente estaria?
- Onde? Em tudo à nossa volta! Nela e através dela nós vivemos. Sem
ela tudo isso não existiria.
- Eu não acredito! Eu nunca vi mamãe alguma, o que comprova que mamãe
não existe.
- Bem, mas, às vezes, quando estamos em silêncio, você pode ouvi-la cantando,
ou sente como ela afaga nosso mundo. Sabe?
Eu penso, então, que a vida real só nos espera e que, agora, apenas
estamos nos preparando para ela...

( AUTOR DESCONHECIDO )

(Uma contribuição da prof. Maria Eugênia, pelo facebook, no grupo http://www.facebook.com/groups/casadocaminhofortalezace/)