quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Palestra dia 03.01.2013

Convidamos aos confrades e confreiras espíritas para assistirem uma palestra no dia 03 de janeiro(5a feira), às 19,30h, no auditório do Hospital Militar(Exército), sito à Av. Des, Moreira, a ser proferida pelo confrade Cel José Andrade Filho, o qual abordará o tema:" Ensinamentos Espíritas e Crescimento Pessoal."
Na oportunidade, apresentaremos nossas despedidas ao companheiro André Rolim o qual estará indo para o Rio de Janeiro cumprir novas missões.

Fraternalmente, Paulo M.Vale - Representante da Cruzada dos Militares Espírita no Ceará.

domingo, 23 de dezembro de 2012

AGRADECIMENTO


AGRADECEMOS, DE CORAÇÃO,  A TODA A  FAMILIA, À TODOS OS AMIGOS, AMIGAS, FAMILIARES QUE ACABAMOS DE ENCONTRAR  O ARRAISZINHO.
OBRIGADO A TODAS AS MENSAGENS, LIGAÇÕES, AJUDAS, COMPANHEIRISMO, ATENÇÃO E ORAÇÃO.
SEM DUVIDAS , AGRADECEMOS AO NOSSO PAI MAIOR.
OBRIGADA.
EUGÊNIA TEMPORAL

Sobrinho de Eugênia Temporal da Casa do Caminho


Ajude a encontrar

O desaparecimento de um jovem cearense de 21 anos vem ganhando repercussão no Facebook. José Arrais Maia Neto foi visto pela última vez na noite da última quinta-feira (20) em um bar no bairro Varjota


        Já encontrado!

2012: A Era de Ouro

O Espiritismo

O Espiritismo é a ciência nova que vem revelar aos homens, por meio de provas irrecusáveis, a existência e a natureza do mundo espiritual e as suas relações com o mundo corpóreo. Ele no-lo mostra, não mais como coisa sobrenatural, porém, ao contrário, como uma das forças vivas e sem cessar atuantes da Natureza, como a fonte de uma imensidade de fenômenos até hoje incompreendidos e, por isso, relegados para o domino do fantástico e do maravilhoso. É a essas relações que o Cristo alude em muitas circunstâncias e daí vem que muito do que ele disse permaneceu ininteligível ou falsamente interpretado. O Espiritismo é a chave com o auxilio da qual tudo se explica de modo fácil.
A lei do Antigo Testamento teve em Moisés a sua personificação; a do Novo Testamento tem-na no Cristo. O Espiritismo é a terceira revelação da lei de Deus, mas não tem a personificá-la nenhuma individualidade, porque é fruto do ensino dado, não por um homem, sim pelos Espíritos, que são as vozes do Céu, em todos os pontos da Terra, com o concurso de uma multidão inumerável de intermediários. É, de certa maneira, um ser coletivo, formado pelo conjunto dos seres do mundo espiritual, cada um dos quais traz o tributo de suas luzes aos homens, para lhes tornar conhecido esse mundo e a sorte que os espera.
Assim como o Cristo disse: “Não vim destruir a lei, porém cumpri-la”, também o Espiritismo diz: “Não venho destruir a lei cristã, mas dar-lhe execução.” Nada ensina em contrário ao que ensinou o Cristo; mas, desenvolve, completa e explica, em termos claros e para toda gente, o que foi dito apenas sob forma alegórica. Vem cumprir, nos tempos preditos, o que o Cristo anunciou e preparar a realização das coisas futuras. Ele é, pois, obra do Cristo, que preside, conforme igualmente o anunciou, à regeneração que se opera e prepara o reino de Deus na Terra.

(Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. I, itens 5 a 7.)

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Conexão coração - cérebro


O coração foi definido pela ciência antiga como uma bomba cuja função é a de distribuir sangue a todas as áreas do organismo vivo. Mas para quase todas as culturas antigas no planeta, esse mesmo coração tem um papel mais importante do que simplesmente bombear sangue, ele é a fonte de sabedoria inconsciente para todas as experiências de nossa vida.


Pesquisa recentes do Instituto de HeartMath mostra que um dos mais poderosos fatores que afetam a mudança do ritmo do coração são os nossos sentimentos, emoções e as percepções sobre essas emoções.

Aprendemos na escola que o coração recebe constantemente sinais neurais enviados pelo cérebro. Mas hoje cientistas atestam que o coração enviamais sinais para o cérebro do que o cérebro envia ao coração! 

Além disso, esses sinais cardíacos têm um efeito significativo sobre afunção do cérebro, que influenciam no processamento emocional, bem como as faculdades cognitivas superiores, tais como atenção, memória e resolução de problemas

Em outras palavras, não só o coração responde para o cérebro, mas o cérebro responde de forma contínua para o coração. 

Durante o estresse e emoções negativas o padrão do ritmo cardíaco é irregular e desordenado, um padrão correspondente de sinais neurais que viajam do coração para o cérebro inibe funções cognitivas mais elevadas.

Isso ajuda a explicar por que muitas vezes agimos de forma impulsiva e imprudente quando estamos sob stress.

Em contrapartida, se estivermos equilibrados e estáveis em estadosemocionais positivos o efeito é contrário, facilitando a função cognitivareforçando os sentimentos já positivos e uma estabilidade emocional. 

Isso significa que o aprendizado para gerar a coerência do ritmo cardíaco acelerado, sustentando as emoções positivas, não só beneficia o corpo inteiro, mas também afeta profundamente o modo como percebemos, pensamos, sentimos e executamos nossas ações.

Nosso coração sabe o que diz

Como discernimento espiritual, pensamento e emoção, o nosso coração é muito mais que uma ferramenta metafórica em textos de poetas. A ciência moderna está ampliando a cada dia o papel importante que esse órgão desempenha nas nossas vidas em especial a Neurocardiologia.

Neurocardiologia descobriu que o coração possui seu próprio e intrínseco sistema nervoso em uma rede de nervos tão sofisticado quanto funcionalmente para ganhar a descrição de um "cérebro e coração." 

Contendo mais de 40.000 neurônios, "essa mente em menor escala” dá ao coração a capacidade de processar informação de forma independente do cérebro, tendo senso, tomando decisões, e até mesmo demonstrando um tipo de aprendizado e memória. 

O coração é um sistema inteligente.

Ele também atua como uma glândula hormonal que fabrica e secreta hormônios e numerosos neurotransmissoresque afetam profundamente o funcionamento do cérebro e do corpo. 

Entre esses hormônios destaca-se a ocitocina, velho conhecido do "amor" ou mais popularmente como "hormônio da união."

O coração é um componente chave no 
sistema emocional, não só respondendo a imediata emoção (quando ele dispara), determinando aqualidade da nossa experiência emocional de momento a momento. Isso se dá na percepção do impacto e função cognitiva em virtude da rede de comunicação com o cérebro -  se ele dispara por medo ou por alegria.

Estudos eletrofisiológicos realizados no Instituto de HeartMath indicaram que o coração parece desempenhar um papel fundamental na intuição

Teste com várias pessoas mostraram que no toque, na proximidade de corpos há uma transferência da energia eletromagnética produzida pelo coração. Essa transferência de sinal parece depender da distância entre os indivíduos.

O efeito foi evidente quando as pessoas se tocavam ou foram postas a 18centímetros de distância. Quando os voluntários foram separados por uma distância de 4 metros o processo de sinais era interrompido. Interessante no estudo foi que no uso de luvas de isolamento não houve transferência de energia, assegurando a importância do contato pele a pele. 

campo eletromagnético do coração diminui em coerência elétrica quando um indivíduo se torna frustrado ou com raiva. Estados emocionais positivos como sincero amor, cuidado e gratidão aumentam o campoeletromagnético sensivelmente.

Foi observado em estudos que pacientes hospitalizados com problemas cardiovasculares que não foram tocados atenciosamente, com um toque “Terapêutico”, apenas mecânico, apresentaram um decréscimo maior na qualidade do pós tratamento.

Já os pacientes que receberam atenção, uma intervenção acentuada dos enfermeiros na ajuda para confortá-lo, tiveram um aumento sensível na recuperação no pós tratamento.

Nossas emoções têm a capacidade
de afetar pessoas de nossa proximidade.

Se o campo eletromagnético gerado pelo nosso coração, na verdade, tem a capacidade de afetarsignificativamente os que nos rodeiam, as implicações disto seriam claras nas interações terapeuta-paciente. 


Observe que para essa troca de energia, não só a força da intenção de ajudar ao retorno do equilíbrio vibratório (cura) do paciente irá contar, mas que principalmente haja uma relação mútua entre o profissional e doente.

A troca de energia cardíaca descrita aqui pode ser influenciada não só pelo grau de coerência do sinal transmitido (o que, por sua vez, pode depender do estado emocional da fonte e intenção), mas também pelo grau de receptividade do receptor ao sinal. 

O impacto desses estudos constata o que nós já sabíamos intuitivamente, mas não podíamos provar. As alterações no campo cardíaco impactado por diferentes emoções são registradas fisiologicamente. Uma percepção de destaque por aqueles que nos rodeiam, o que vem comprovar ao longo da experiência humana, o quanto nosso coração sofre quando não damos a devida atenção a sua intuição.

O toque facilita o intercâmbio de energia cardíaca entre indivíduos. Isto dá um novo conceito no contato como o primeiro meio fundamental de comunicação e facilitador nas interações humanas.

Quando temos sentimentos de agradecimento, alegria, atenção e amor, nosso padrão de ritmo cardíaco torna-se altamente ordenado, sincronizado, trocando energia harmoniosa, como uma suave onda que envolve todo o sistema orgânico dando maior eficiência na execução do trabalho de homeostase – o nome que cientistas dão a isso = coerência padrão de ritmo cardíaco.


Coerência não é relaxamento

Um ponto importante é que o estado de coerência é tanto psicologicamente quanto fisiologicamente distinto do estado alcançado através de mais técnicas de relaxamento. 

Coerência é associada a um aumento relativo da atividade parassimpática, um aumento da harmonia e sincronia no sistema nervoso e a dinâmica - coração - cérebro

Relaxamento é um estado de baixa energia, no qual o indivíduo descansa o corpo e a mente, normalmente desapegando-se de processos cognitivos e emocionais. Em contraste, a coerência geralmente envolve a participação ativade emoções positivas.

O Papel da Respiração

Outra distinção importante envolve a compreensão do papel darespiração na geração de coerência porque padrões respiratórios modulam o ritmo cardíaco, é possível gerar um ritmo cardíaco coerente simplesmente por respirar lenta e regularmente a um ritmo de 10 segundos (5 segundos na inspiração e 5 segundos na expiração). 

Respiração ritmada desta forma pode, portanto, ser uma intervenção útil para iniciar uma mudança de estado emocional de estresse e para uma maior coerência. 

Uma série de estudos recentes, em todos os campos do conhecimento humano, nos forçará a rever e alterar a história e ciência. Estar aberto a essas mudanças dará a você um melhor entendimento de como funciona sua mente e conseqüentemente seu organismo.

Perceba como andam seus pensamentos. Aquiete seu coração. Dê a ele mais alegrias apenas vibrando de maneira coerente com o que você diz, faz e pensa.
Laura botelho

domingo, 16 de dezembro de 2012

SAL GROSSO CIENTIFICAMENTE PROVADO SAL GROSSO - ONDA VIOLETA

Quem diria! O Sal grosso tem o mesmo comprimento de onda da cor violeta! Interessante!!! Por isso que funciona... Aproveitem! Os Poderes do Sal Grosso 

O sal grosso é considerado um potente purificador de ambientes. 
Povos distintos usam o sal para combater o mau-olhado, e deixar a casa a salvo de energias nefastas. 
O sal é um cristal e por isso emite ondas eletromagnéticas que podem ser medidas pelos radiestesistas. 
Ele tem o mesmo comprimento de onda da cor violeta, capaz de neutralizar os campos eletromagnéticos negativos
Visto ao microscópio o sal bruto revela que é um cristal, formado por pequenos quadrados ou cubos achatados. 

As energias densas costumam se concentrar nos cantos da casa, por isso, colocar um copo de água com sal grosso ou sal de cozinha equilibra essas forças e deixa a casa mais leve. Para uma sala média onde não circula muita gente, um copo de água com sal em dois cantos é suficiente. Em dois ou três dias, já se percebe a diferença. Quando se formam bolhas é hora de renovar a salmoura. 

A solução de água e sal também é capaz de puxar os íons positivos, isto é, as partículas de energia elétrica da atmosfera, e reequilibrar a energia dos ambientes. Principalmente em locais fechados, escuros ou mesmo antes de uma tempestade, esses íons têm efeito intensificador e podem provocar tensão e irritação. 

A prática simples de purificação com água e sal deve ser feita à menor sensação de que o ambiente está carregado, depois de brigas ou à noite, no quarto, para que o sono não seja perturbado. 

Já foi considerado o ouro branco (salmoura para conservar alimentos). 
Os povos foram desenvolvendo técnicas de usar o sal, como as abaixo descritas: 

Uma pitada de sal sobre os ombros afasta a inveja.

Para espantar o mau-olhado ou evitar visitas indesejáveis, caboclos e caipiras costumam colocar uma fileira de sal na soleira da porta ou um copo de salmoura do lado esquerdo da entrada. 

A mistura de sal com água ou álcool absorve tudo de ruim que está no ar, ajuda a purificar e impede que a inveja, o mau-olhado e outros sentimentos inferiores entrem na casa. 

Depois de uma festa, lavar todos os copos e pratos com sal grosso para neutralizar a energia dos convidados, purificando a louça para o uso diário. 

Na tradição africana, quando alguém se muda, as primeiras coisas a entrar na casa são: um copo de água e outro com sal. 

Usam sal marinho seco, num pires branco atrás da porta para puxar a energia negativa de quem entra. 

Também tomam banho com água salgada com ervas para renovar a energia interna e a vontade de viver. 

No Japão, o sal é considerado poderoso purificador. 
Os japoneses mais tradicionais jogam sal todos os dias na soleira das portas e sempre que uma visita mal vinda vai embora. 

Símbolo de lealdade na luta de sumô. 
Os campeões jogam sal no ringue para que a luta transcorra com lealdade. Use esse poderoso aliado! 

É barato, fácil de encontrar, e pode lhe ajudar em momentos de dificuldade e de esgotamento energético! 

Modo de tomar o banho de sal grosso 

Após seu banho convencional, deixe um punhado de sal grosso escorrer do pescoço para baixo, embaixo da água da ducha. 

Banho de sal grosso e o antigo escalda-pés (mergulhar os pés em salmoura bem quente) têm o poder de neutralizar a eletricidade do corpo. 

Para quem mora longe da praia é um ótimo jeito de relaxar e renovar as energias. 

Tomar banho de água salgada com bicarbonato de sódio descarrega as energias ruins e é relaxante. 

O famoso banho de assento, com água morna e bicarbonato de sódio, é excelente para a higiene íntima, pois evita infecções. 

Mas no banho, o único cuidado é não molhar a cabeça, pois é aí que mora o nosso espírito e ele não deve ser neutralizado. 
Uma opção que agrada muitas pessoas é colocar um punhado de sal dentro de uma meia, e repousar esta na nuca (atrás do pescoço) debaixo da ducha. 
Não são aconselháveis banhos frequentes com o sal. 
Dê preferência para os banhos na fase da Lua Cheia, utilize velas no banheiro, e se quiser ativar sua intuição, apague as luzes do banheiro. 

Benefícios de banhos e escalda pé com sal grosso. • 

Fisiológicos: 
Ajuda a desintoxicar o corpo e afastar os vírus. 
Estimula a circulação natural para a melhoria da saúde
Ajuda a aliviar o pé do atleta, calos e calosidades.
Relaxa a tensão, dores musculares e nas articulações. 
Ajuda a aliviar artrite e reumatismo
Ajuda a aliviar a dor lombar crônica

Benefícios estéticos: 
Tira as impurezas da pele
Alivia irritações da pele como psoríase /eczema. 
Alivia comichão, ardor e picadas. 
Suaviza e amacia a pele• Incentiva a pele se renovar.
Ajuda a curar as cicatrizes. 
Restaura o equilíbrio a umidade da pele.

Ocupacional: 
Alivia o cansaço, os pés doloridos e os músculos da perna
Alivia a tensão nas mãos e punhos. 
Ajuda a aliviar lesões ocorridas nas práticas esportivas. 

Psicofísica: 
Proporciona um relaxamento profundo
Ajuda a aliviar o estresse e tensão

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Estudo sugere que repensemos a definição de vida sem utilizar elementos químicos


Encontrar vida fora da Terra tem se mostrado um grande desafio. Tudo bem que só conhecemos poucos dos planetas, satélites e estrelas que existem no universo, mas, ainda assim, tudo que encontramos parece estéril considerando o padrão – e a diversidade – de vida encontrado no nosso planeta.
Talvez esse seja então o problema: nós queremos encontrar vida exatamente como a conhecemos. Mas o que é, exatamente, vida? Somos só nós, os outros animais, as bactérias?
Parte do nosso problema em encontrar vida é que não temos uma boa definição do que é a vida. “Normalmente, nossa forma de identificar a vida na Terra é através da presença de DNA no organismo”, disse Sara Walker, astrobióloga da Universidade do Arizona (EUA).
Porém, essa é uma definição química que pode limitar a busca de vida extraterrestre, além de incluir, erroneamente, sistemas não vivos nessa classificação, como uma placa de Petri cheia de DNA autorreplicante.
“Neste momento, estamos nos concentrando na busca de vida que seja idêntica a nós, com as mesmas moléculas”, afirmou Chris McKay, astrobiólogo da NASA. “Essa abordagem potencialmente estabelece uma estrutura que nos permite considerar outras classes de moléculas orgânicas que poderiam ser a base da vida”.
Por décadas, cientistas tentam recriar os acontecimentos que deram origem à vida no planeta. Na famosa experiência de Miller-Urey relatada em 1953, os cientistas carregaram eletricamente uma sopa primordial de elementos químicos que imitavam a composição química dos oceanos no início do nosso planeta, e descobriram que vários aminoácidos simples, os blocos mais primitivos de vida, se formaram como resultado.
Mas, desde então, os cientistas não avançaram muito na compreensão de como simples aminoácidos podem ter, eventualmente, se transformado em simples, e depois em complexos, seres vivos.
“Na tentativa de explicar como a vida veio a existir, as pessoas têm se concentrado em um problema de química, como se criar vida fosse como fazer um bolo, para o qual nós precisamos de um certo conjunto de ingredientes e instruções para seguir”, disse Paul Davies, físico teórico e astrobiólogo também da Universidade do Arizona. “Essa estratégia não capta a essência do que é a vida”.
Davies e Walker, juntos em uma nova pesquisa, afirmaram que estamos olhando errado para o mistério da origem da vida. Em vez de tentar recriar os blocos de construção químicos que deram origem à vida 3,7 bilhões anos atrás, eles acreditam que devemos usar as principais diferenças na forma como os seres vivos armazenam e processam informações para desvender esse mistério.

Mão dupla

A equipe de cientistas criou um modelo matemático simples para capturar a transição de um ser não vivo para um ser vivo. Segundo os pesquisadores, todos os seres vivos têm uma propriedade que objetos inanimados não têm: fluxos de informação em duas direções. Todos os sistemas vivos são caracterizados por duas vias ou fluxos de informação, tanto de baixo para cima quanto de cima para baixo, em termos de complexidade.
Por exemplo, quando uma pessoa toca um fogão quente, as moléculas de sua mão sentem o calor, transmitem essa informação ao cérebro, e o cérebro, então, diz que para as moléculas da mão se moverem.
Enquanto esse fluxo de informações em dois sentidos governa o comportamento de formas de vida simples e complexas da mesma forma, das menores bactérias às baleias, organismos não vivos não apresentam tal fluxo. Se você colocar um bolo no fogão, o calor pode queimar o bolo, mas ele não vai fazer nada para responder.
Outra característica dos seres vivos é que eles têm diferentes locais físicos para armazenar e ler informação. Por exemplo, o alfabeto de letras no DNA carrega as instruções para a vida, mas outra parte da célula, chamada de ribossomo, é que deve traduzir essas instruções em ações dentro da célula.
Um probleminha desta definição é que, através dela, computadores que armazenam dados em um disco rígido e os lê usando uma unidade de processamento central teria as características de vida – embora isso não signifique que eles estão vivos.
O novo modelo proposto pela equipe ainda está em seu começo e não aponta para novas moléculas que poderiam ter gerado vida em outros planetas, mas estabelece o comportamento necessário que um sistema precisa ter para ser considerado vivo.
“Este é um manifesto”, disse Davies. “É uma maneira de dizer que temos de reorientar e redefinir o assunto, e olhar para ele de uma maneira diferente”.

Vida = processos de informações

Essa não é a primeira vez que um estudo sugere que repensemos a definição de vida sem utilizar elementos químicos.
Uma pesquisa de Christoph Adami afirmou que a vida pode ser definida em termos de processos de informações. Entendendo processos fundamentais que não se referem a um substrato em particular, podemos procurar por vida em outros mundos.
Mesmo na Terra, alguns organismos não se comportam da maneira que definiríamos como vida. Por exemplo, um ser vivo é todo ser que um dia morre. Bom, exceto por um pólipo que pode retroceder para sua forma de embrião e crescer de novo, nunca morrendo. Nesses casos, a vida não é definida através de conceitos com os quais estamos acostumados, mas somente através de processos.
Adami chegou a conclusão de que existe uma certa distribuição de elementos (alguns em alta frequência, porque são úteis, outra em baixa frequência, porque são prejudiciais e só existem no nível do acaso) que é robusta e vista em qualquer situação onde há um sistema vivo. Existe um outro tipo de distribuição visto constantemente onde não há vida.
Essa distribuição não tem a ver com quais elementos estão presentes nela, mas no próprio padrão da distribuição. Em resumo, ele sugere que podemos encontrar vida que não se parece com a nossa usando um “padrão universal de não vida”, e procurando por grandes desvios desse padrão.[LiveScience]
http://hypescience.com/estudo-precisamos-repensar-a-definicao-de-vida-para-desvendar-os-misterios-de-sua-origem/ 

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Como a ciência explica o que chamamos de pressentimento (e por que precisamos dele)


Ana Carolina Prado 15 de março de 2012



Você vê um amigo de longe e, em questão de pouquíssimos segundos, tem o “pressentimento” de que há algo errado. Quando os dois se sentam para conversar, ele conta que realmente está passando por problemas sérios. Como você sabia? O neurocientista David Eagleman, que dirige o Laboratório de Percepção e Ação do Baylor College of Medicine no Texas, traz uma explicação no livro “Incógnito – As Vidas Secretas do Cérebro”.

Para entender, imagine outra situação: você e outras pessoas estão diante de uma mesa com quatro baralhos. Cada um precisa escolher uma carta a cada rodada – e o que aparecer nela pode significar perdas ou ganhos em dinheiro. Mas há um detalhe: dois desses baralhos têm mais cartas boas (ou seja, fazem você ganhar dinheiro) e dois têm mais cartas ruins. Quem escolhe o baralho é o próprio participante que está tirando a carta. Em todas as rodadas, enquanto toma a decisão, cada pessoa é interrogada sobre quais baralhos acredita serem bons ou ruins. Quanto tempo você acha que levaria para descobrir isso?

Um neurocientista chamado Antoine Bechara e alguns colegas fizeram um experimento exatamente assim em 1997 e descobriram que os participantes precisavam tirar, em média, 25 cartas para sacar quais baralhos eram bons ou ruins.

Mas havia um detalhe: eles também mediram, durante toda a tarefa, as reações elétricas da pele de cada participante – que seriam um reflexo da atividade do sistema nervoso autônomo, responsável pela reação de luta ou fuga, por exemplo. Assim, quando a pessoa se sentisseameaçada, isso seria indicado por esse medidor.

E foi isso que permitiu uma descoberta espantosa: o sistema nervoso autônomo conseguia decifrar a estatística dos baralhos bem antes que a consciência dos participantes: por volta da13ª carta. A essa altura, cada vez que um deles estendia a mão para pegar a carta de um baralho ruim, havia um pico de atividade elétrica em sua pele – em outras palavras, uma parte do seu cérebro lhes enviava um sinal de alerta, como que dizendo “Cuidado, cara! Esse baralho vai te fazer perder dinheiro!”.

Mas acontece que a mente consciente dessas pessoas ainda não era capaz de captar a mensagem claramente. Isso se manifestou, então, na forma de um “pressentimento”: elas começavam a escolher os baralhos bons antes mesmo de poderem explicar o porquê.

Esse pressentimento é necessário para fazermos boas escolhas. O experimento foi repetido com voluntários que tinham danos na área do cérebro responsável pela tomada de decisões – o córtex pré-frontal ventromedial. Descobriu-se que essas pessoas não eram capazes de formar aquele sinal elétrico de alerta na pele. Ou seja, seu cérebro não conseguia compreender as estatísticas tão rápido e, assim, não os advertia. Mas, mesmo quando sua mente consciente finalmente compreendeu quais eram os baralhos bons e ruins, eles continuaram a escolher as cartas dos montes errados. Se a sua consciência sabia o que fazer, mas mesmo assim eles não o faziam, isso indicaria que a atividade “escondida” do cérebro (que se manifesta nesse caso na forma do que chamamos de “pressentimentos”), é essencial para a tomada de decisões vantajosas.

Reconhecendo rostos

O resultado desses estudos condiz com uma descoberta posterior relacionada a pessoas consideradas prosopagnósicas – aquelas que são incapazes de reconhecer rostos. Fazendo essa medição dos impulsos elétricos de sua pele, pesquisadores concluíram que elas apresentavam uma atividade maior quando viam o rosto de uma pessoa que conheciam. Uma parte do seu cérebro ainda era capaz de distingui-los. O problema é que isso não chegava à sua mente consciente.

Voltando ao caso do primeiro parágrafo: o “pressentimento” que você teve em relação ao seu amigo pouquíssimos segundos após olhar para ele provavelmente tem uma explicação parecida. Antes que sua mente consciente sequer tomasse conhecimento de que ele estava ali, é possível que seu cérebro já tivesse analisado sua linguagem corporal e registrado sinais de que havia algo de errado com ele.

Isso ensina que: 1) Apesar de sua mente consciente (ou aquilo que você considera você) levar o crédito por tudo, ela sabe muito pouco das atividades todas que rolam na sua cabeça – no máximo, ouve sussurros dela. Mas isso não é um problema porque 2) graças a esses “pressentimentos”, podemos tomar decisões vantajosas mesmo sem estarmos conscientes da situação.

Quer tomar a decisão certa? Jogue uma moeda

Se a nossa mente consciente sabe tão pouco do mundo em comparação com o que está inconsciente, como podemos acessar as informações que não chegam até ela e tomar boas decisões?

O neurocientista David Eagleman dá a dica: pegue uma moeda, determine qual face equivale a qual decisão e vá no cara ou coroa. Não, não é que você vai decidir assim, pelo acaso. O truque é avaliar sua sensação depois que a moeda cair. Caso se sinta levemente aliviado com o resultado, essa é a decisão correta para você. Se, em vez disso, se irritar e achar isso ridículo, talvez devesse escolher a outra opção.

http://super.abril.com.br/blogs/como-pessoas-funcionam/como-a-ciencia-explica-os-pressentimentos-e-por-que-voce-precisa-deles/

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

O que a meditação é?


“A meditação é uma maneira de ir para dentro de si mesmo,
de perceber que você não é o corpo e você não é a mente.
É um modo de fixar em nós mesmos, no mais profundo centro
do nosso ser; e uma vez que você encontrou o seu centro,
você terá encontrado tanto suas raízes quanto suas asas.”

(Osho)

www.humaniversidade.com.br


“A meditação é uma maneira de ir para dentro de si mesmo, de perceber que você não é o corpo e você não é a mente. É um modo de fixar em nós mesmos, no mais profundo centro do nosso ser; e uma vez que você encontrou o seu centro, você terá encontrado tanto suas raízes quanto suas asas.”

(Osho)

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Você pode purificar e revitalizar suas energias!

O contato da água no corpo provoca um estímulo magnético, que percorre todo o organismo,
deixando-o calmo, e preparando-o para o sono reparador ou as lutas de cada dia. 
O banho diário, quando encontra na mente apoio, torna-se um passe.
Além das virtudes curativas da água, enxertar-se-ão fluidos magnéticos, de acordo com a 
irradiação da alma. 
A disciplina dos pensamentos é uma fonte de bem-estar, na hora da higiene do corpo. 
No instante do banho é preciso que se entenda a necessidade da alegria, 
que nosso pensamento sustente o amor, até um sentimento de gratidão à água que nos serve de higiene. 
Visualize, além da água que cai em profusão, como fluidos espirituais banhando todo o seu ser. 
O impulso dessa energia destampa em nosso íntimo a lembrança da fé, da esperança, da solidariedade, do contentamento e do trabalho
Por este motivo, banho e passe, conjugados, são uma magia divina ao alcance de nossas mãos.
A água no banho é o fluido que vivifica o corpo. Poder-se-á vincular o banho ao passe, 
e ele poderá ser uma transfusão de energias eletromagnéticas.
Uma mente ordenada na disciplina, em segundos, selecionará, em seu derredor,
grande quantidade de magnetismo espiritual, e os adicionará, pela vontade,
na água que lhe serve de veículo de limpeza física,passando a ser útil na higiene psíquica.
Observem que, ao tomar banho, sentimo-nos comovidos, a ponto de nos tornarmos cantores! 
E a alegria advinda da esperança, nos chega da água, que é portadora dos fluidos espirituais,
que lhes são ajustados por bênção do amor.
O lar é o nosso ninho acolhedor, e nele existem espíritos de grande elevação,
cuja dedicação e carinho com a família nos mostrará como Deus é bom.
Essa assistência atinge, igualmente, as coisas materiais, desde a arborização, até o preparo das águas que nos servem.
Quantas doenças surgem e desaparecem sem que a própria família se conscientize disso?
É a misericórdia do Senhor pelos emissários de Jesus, operando na dimensão oculta para os homens, e encarregados de assistir ao lar.
Eles colocam fluidos apropriados nas águas para o banho, e nas que bebemos.
E, quando eles encontram disposições mentais favoráveis, alegram-se pela grande eficiência do trabalho.
Na hora das refeições, é sagrado e conveniente que as conversas sejam agradáveis e positivas. 
No momento do banho, é preciso que ajudemos, com pensamentos nobres e orações, para que tenhamos mãos mais eficientes operando em nosso favor. 
Se quisermos quantidade maior de oxigênio nitrogenado, 
basta pensarmos firmemente que estamos recebendo esses elementos, 
e a natureza nos dará isto, com abundância. 
É o "pedi e obtereis" do Cristo. 
A alegria tem também bases físicas. 
Um corpo sadio nos proporcionará facilidades para expressar o amor.
Quando tomar o seu café pela manhã, tome convicto de que está absorvendo, juntamente com os ingredientes materiais,
a porção de fluidos curativos, de modo a desembaraçar todo o miasma pesado que impede o fluxo da força vital em seu corpo.
E sairá da mesa disposto para o trabalho, como também para a vida.
Despeça-se de sua família com carinho e atenção, e deixe que vejam o brilho otimista nos seus olhos,
de maneira a alegrar a todos que o amam; assim, eles lhe transmitirão as emoções que você mesmo despertou neles e isso lhe fará muito bem.
O banho mais importante é aquele feito antes de dormir para tirar as contaminações materiais, mentais e espirituais do dia.
Basta uma ducha rápida e relaxante.
Daí garantirá uma noite repousante de sono e, ao acordar, todo o perfume de limpeza estará conosco.
Lembre-se de que um copo de água que tome, onde quer que seja, pode ser tomado e sentido como um banho e passes internos.
Não se esqueça de bebê-lo com alegria e amor, 
lembrando com gratidão de Quem lhe deu essa água tão necessária pois,
se ela vem rica de coisas espirituais, aumentará sua conexão com o divino poder interno. 
É muito bom estar consciente de cada coisa que nos acontece e estar agradecido,
se sentindo abençoado e cheio de amor.
A consciência, a gratidão e o amor são três caminhos paralelos, que a felicidade percorre com alegria.

Fonte: Templo do Sol -Escola de Ascensão

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

ALMAS


Ó solitário das estradas,

Desventurado pensador,

Há no caminho “almas penadas”

Que vão clamando desoladas

A dor e o pranto, o pranto e a dor!...

Vós, que o silêncio amais no mundo,

Em orações ao pé do altar,

Sob as arcadas silenciosas,

Almas feridas, desditosas,

Oram convosco a soluçar.

Ao descansardes, meditando,

À sombra de árvores em flor,

Sabei que às vezes sois seguidos

Pelas angústias dos gemidos,

De almas chagadas no amargar.

Clareie a luz do sol-nascente,

Negreje a treva na amplidão,

Gemem na Terra muitos seres

Pelos amargos padeceres

Depois da morte, na aflição.

Dai-lhes dos vossos pensamentos

Consolação que adoce a dor,

Dai um conforto à desventura,

A prece cheia de ternura,

Algo de afeto, algo de amor!...

Autor: Auta de Souza
Do livro Parnaso de Além-Túmulo.
Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

domingo, 9 de dezembro de 2012

O que acontece nos "bastidores" das Casas Espíritas (sérias)

Hoje, às 16:00h, Dê abraços gratuitos!



O ano está chegando ao fim e não apenas ele está acabando, o estoque de bolsas do sangue do Hemoce também está. Então nós pensamos: "Como podemos mobilizar as pessoas a doarem sangue e ainda fazer com que se sintam bem? Dando abraços! 

E é isso que queremos fazer no dia 09 de dezembro, às 16h, na Praça dos Estressados, Beira Mar. Dar abraços grátis e conscientizar as pessoas de que doar sangue pode ser um ótimo presente para alguém nesse final de ano. Além da distribuição de abraços, estaremos tirando dúvidas sobre a doação.

A gente pede que todas as pessoas apareceram por lá de camisa preta, ok? ;)






sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

A Visão Sistêmica na Ciência e na Psicologia


por Instituto AION - celso@aions.com.br

Na psicologia junguiana, a teoria sobre a realidade psíquica está em consonância com as descobertas da física quântica e da teoria dos sistemas. Na concepção de Jung, a teoria do inconsciente aproxima-se, cada vez mais, das recentes descobertas dessas ciências. Em sua obra A energia psíquica, Jung afirma:

"O defeito da concepção de Freud consiste na unilateralidade para a qual sempre tende o ponto de vista mecanicista-causal".

Vemos aqui a tendência em Jung de procurar entender a questão da mente e do psiquismo do ponto de vista não-mecanicista, ou seja, sistêmico e energético. Jung discordava de Freud não só pela definição da energia psíquica, que entendia a libido e unicamente como sendo de natureza sexual, ao passo que para Jung esse conceito aplicava-se a um escopo mais abrangente, como uma energia vital não reduzida ao sexo.
Outra discordância nas duas concepções, residia na questão do inconsciente. Para Freud, o inconsciente resumia-se a uma dimensão individual, ao passo que para Jung, ele toma dimensões coletivas, tem um caráter auto-regulador e do qual a consciência emerge.
Freud entendia que o inconsciente e a própria psique estariam atrelados a um mundo mecanicista, reduzidos a causas biológicas e químicas.
Jung não via nenhuma razão para entender o psiquismo ou a mente como um subproduto de das funções cerebrais. Neste sentido, ele via a vida psíquica mais como um sistema onde a energia tem um papel predominante e, conseqüentemente, não-reducionista, mas finalista, ou seja, “como um meio ordenado a um fim”. Sobre isto dizia ainda:

"A consideração energética é essencialmente de caráter finalista e entende os fenômenos partindo do efeito para a causa, no sentido de que na raiz das mutações ocorridas nos fenômenos há uma energia que se mantém constante, produzindo entropicamente, um estado de equilíbrio geral no seio dessas mutações".

Aqui o caráter sistêmico de sua visão é indiscutível e conforme afirma, ainda:

"A idéia de energia não é a de uma substância que se movimenta no espaço, mas um conceito abstraído das relações de movimento".

A própria definição de Jung para o símbolo e arquétipo possui uma natureza transformadora do ponto de vista energético, como vemos nesta afirmação: “O mecanismo psicológico que transforma a energia é o símbolo”.
As mais recentes constatações da Física Quântica mostram que a realidade não possui uma consistência em si mesma, ou seja, o mundo físico das partículas indivisíveis e do mundo newtoniano dá lugar a uma abstração das relações entre seus processos dinâmicos.
Para a Ciência Quântica, a realidade é vista como uma possibilidade. Jung, já na época em que formulou suas teorias a respeito da mente e do psiquismo, estava familiarizado com esses conceitos, quando afirmou que:
Aquilo que para o ponto de vista causal é fato, para o ponto de vista finalista é símbolo, e vice-versa. Por isso devemos considerar o mundo também como um fenômeno psíquico.
Jung foi pioneiro na abordagem psicológica que transcende os limites da consciência individual e na Psicoterapia direcionada aos aspectos luminosos da mente e não somente aos aspectos doentios.
Posteriormente, outros terapeutas, como Maslow, Carl Rogers e Sullivan consideraram aspectos transpessoais e sociais na abordagem e no tratamento psicológico.
O fato é que, acentuadamente, a tendência das práticas terapêuticas, tanto na psicologia quanto na medicina, é a da visão holística, integrada e sistêmica.